CIDADANIA E SOLIDARIEDADE AUMENTAM A “NOTA” NO COLÉGIO LA SALLE

Mesmo com toda dificuldade que a Educação enfrenta em todo o nosso país – a maior prova disso foi a abordagem exaustiva do tema pelos candidatos a Presidência do país em todos os debates, na última eleição – aqui na nossa acolhedora e solidária Botucatu, o renomado Colégio LA SALLE, fortalece, cada vez mais, o seu modelo educacional e, com modernismo oferece aos seus alunos (desde a educação infantil até o ensino médio) uma grande oportunidade para que aprendam a exercer a cidadania.

Anualmente, através da Coordenadora da PAJULA – Pastoral da Juventude Lassalista, Professora Nilceia Arruda, esta admirável Instituição de Ensino realiza uma grandiosa gincana, na qual os alunos são orientados a “fazer a sua parte” no mundo mágico da solidariedade, doando alimentos, roupas, cobertores, sapatos, enfim, produtos que possam ser úteis aos nossos irmãos que padecem de algum tipo de dificuldade para a sua sobrevivência.

Em troca desta atividade que constitui uma verdadeira edificação do bem, além da satisfação vivida pela demonstração de generosidade e amor ao próximo, os alunos ainda recebem um incentivo na avaliação final do seu aprendizado, somando depois das provas normalmente aplicadas, alguns pontos. Simplesmente fantástico!

Este “baita” evento sempre ocorre no mês de maio, próximo do dia 15, data em que é comemorado o Dia de São João Batista de La Salle, fundador da Rede La Salle, porém, neste ano, por falta de data apropriada, a organização optou por realizá-lo perto do Dia das Crianças. Nem mesmo esta mudança ofuscou o brilho costumeiro desta preciosa gincana que já virou mania entre os integrantes da comunidade Lassalista. 

Nada menos do que oito toneladas de alimentos, nove mil peças de roupas e perto de mil pares de sapatos foram arrecadados neste ano, montante que conseguiu guarnecer e premiar cinco entidades filantrópicas da cidade (Casa dos Meninos Sagrada Família, Casa das Meninas “Amando de Barros”, Casas de Apoio da FAMESP, Associação dos Vicentinos e a ASFA – Associação da Sagrada Família).

Como comandante de um grupo de funcionários que, em nome da FAMESP (Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar), têm a missão de amparar, nas quatro Casas de Apoio, pessoas de variadas cidades brasileiras, que vêm ao Hospital das Clínicas da UNESP em busca de recuperar a saúde, devo confessar que, se não fui o mais orgulhoso, dentre os funcionários que estavam de plantão no dia da entrega das doações, com certeza, fiquei entre os mais satisfeitos, até porque esse gesto de generosidade, o ato de “se dar as mãos” promovido brilhantemente pelos subordinados do Professor José Vendelino Flach, digno Diretor do LA SALLE me engrandece e confere a “tônica” que me impulsiona em todos os dias do ano.

Os quase mil quilos de mantimentos e uma quantidade enorme de roupas e sapatos que recebemos, “balançou” de maneira bastante prazerosa, o coração de todos.

Fiquei ainda mais feliz, por saber que neste “mundinho” repleto de hipocrisia e de abusos sem limites, em especial, aqueles cometidos com as nossas crianças – infelizmente, são poucos os governantes que dão a devida atenção à nossa juventude – com as graças DELE, o nosso PAI, continuam existindo instituições de ensino que primam pela boa formação dos seus alunos e este, sem sombra de dúvidas é o caso deste renomado estabelecimento de ensino, carinhosamente denominado Colégio LA SALLE.

Agora, fugindo um pouco da minha atuação como responsável pelo cotidiano das referidas “casas”, mas por outro lado, como cidadão que estou diariamente envolvido na busca pelo bem de toda a sociedade botucatuense, preciso “falar” um pouquinho, dessa bela iniciativa do pessoal do LA SALLE, que é bom dizer, já vem acontecendo há alguns anos e também, do “reconhecimento” que o Estado dispensa aos milhares de “mestres do ensinamento” (os nossos PROFESSORES), por todo o Brasil. 

Existem programas e mais programas – a meu ver, todos indistintamente, são pura enganação – que são oferecidos à população brasileira como incentivo à Educação. Porém, entra e sai ano e esses “fenômenos” na arte de transformar a EDUCAÇÃO no Brasil (claro que essas promessas só ocorrem nos momentos eleitoreiros) numa enorme referência para a nossa gente, não conseguem fazer nada, a não ser, “chover no molhado”, como diz o dito popular, ou melhor, simplesmente, vão e voltam sem nada na “garupa”.

Há muito tempo nenhuma resposta é dada à sociedade brasileira. Esses “donos da bola” sequer dão o devido valor a um profissional de suma relevância que é o professor, independentemente do nível, muito menos, cuidam e dispensam atenção às nossas crianças. Felizmente, no Colégio La Salle, os professores tem as suas qualidades reconhecidas e os alunos (a grande maioria) tão logo conquistem a formatura, com certa facilidade, conseguem ingressar em qualquer Universidade Brasileira.

Aliás, a sofrida categoria (professores), que tem um papel fundamental no desenvolvimento do nosso povo é, e sempre foi, vergonhosamente, ignorada pela maioria absoluta dos nossos representantes. Hoje o salário de um “mestre” é infinitamente inferior ao de um jogador de futebol, daqueles mais medíocres. Coisas desse Brasil Brasileiro! 

 Pois bem, caro leitor, um pouco desanimado com a postura dos tantos secretários de governos (de todos os Estados da Federação) e, principalmente do Ex-Ministro da Educação, Aloísio Mercadante, um companheiro “leal e dedicado”, recém substituído no cargo e, mais ainda, com os descasos que norteiam essa que deveria ser a maior prioridade de qualquer governo (a EDUCAÇÃO), não vou perder a oportunidade de abraçar e parabenizar todos os executores desse grandioso projeto de cidadania desenvolvido, anualmente, neste respeitável Colégio e que, na minha visão, deveria ser copiado por todas as instituições escolares do município, do Estado e de todos os cantos do país.

Parabéns, diretores, professores, coordenadores, funcionários, alunos, enfim, palmas para toda a comunidade Lassalista, por desenvolverem tão nobre projeto educativo. À Professora, Nilceia Arruda, responsável mor pelo sucesso absoluto desse brilhante trabalho, o meu mais profundo respeito e admiração.

O BRASIL DE TODOS OS BRASILEIROS ESCOLHEU A “NOVA” PRESIDENTE

Eta “nóis”, passado o processo eleitoral, no qual tivemos a chance de escolher, democraticamente, o novo comandante da Nação Brasileira, o que temos a dizer do resultado final da eleição? Que avaliação fazer da escolha feita? O que esperar para os próximos quatro anos deste “novo” governo? Enfim, o que será que vai acontecer daqui para frente a todos os brasileiros e brasileiras, depois das inúmeras farpas e provocações trocadas, publicamente, entre os dois candidatos, nos diversos debates e no fatídico Horário Eleitoral Gratuito, fato que, inclusive, conseguiu “rachar ao meio” o Brasil e a sua gente?

Como cidadão cumpridor dos seus deveres e, mais ainda, “cobrador” rigoroso dos meus direitos, fico à mercê da dúvida para responder esses questionamentos. Confesso que não tenho a mínima noção do que de bom ou de ruim será oferecido aos filhos “deste gigante pela própria natureza”.

O que, com clareza posso dizer é que a DEMOCRACIA foi exercida. Ninguém tem o direito de questioná-la e o voto, por sua vez, também é inquestionável. No entanto, essa mesma DEMOCRACIA proporciona o direito de  opinarmos. Na minha modesta opinião, acho que tudo aconteceu dentro da normalidade, afinal cada cidadão exerceu o voto e fez sua escolha. Esta é uma realidade, que funciona mais ou menos assim: escolheu, levou; porém, não tem volta. Se no amanhã o arrependimento chegar, por um ou outro motivo, com certeza, só restará o pesar.

Duas outras observações: com certeza, a nossa “Presidenta” e a sua “valiosa” equipe de trabalho, terão muitas dificuldades para governar o país (os próprios companheiros dela é que “racharam” a sociedade brasileira), pois, tem muita gente “braba” e influente que irá agitar muito o dia a dia do seu governo. Quanto a essa tal reforma política (outra farsa), tão “almejada” por todos os políticos que “passeiam”, cotidianamente, pelo Congresso Nacional, pode esquecer: ela jamais ocorrerá!

Mais uma só: como cristão não posso e não devo concordar com tudo o que está sendo “distribuído”, através das redes sociais, em forma de repúdio, a população brasileira, mais especificamente, aos moradores das regiões sul e centro oeste, pois, volto a dizer, a DEMOCRACIA foi oferecida a todos, independentemente de onde habitamos. Longe de mim aceitar preconceitos contra brasileiros e brasileiras de outras regiões.

Espero que os novos comandantes de todos os brasileiros (os mesmos de doze anos atrás) tenham, já a partir de agora, muita proteção divina para fazerem o que de melhor ao povo brasileiro e que essa maldita corrupção (desvio descarado de dinheiro público) relatada por grande parte da mídia nacional, nos últimos meses, seja apurada no rigor da lei. Desejo também que a senhora PRESIDENTE (e não Presidenta, como ela mesma insiste nessa pronúncia) cuide (de verdade) dos pobres, não lhes oferecendo esmolas, mas, dando-lhes oportunidades para viverem dignamente, sejam eles do sul, norte ou do nordeste. Salve, salve esta Pátria amada chamada BRASIL!

Aproveito o momento para enviar um fraternal abraço a dois amigos especiais que aniversariaram na última semana, mais propriamente na quarta feira da semana passada (22/10), meus amigos João Cury Neto, uma das maiores referências da política nacional e Silvio Amaral Camargo.

Com o mesmo afeto “abraço” outras quatro riquezas que compõem a minha valiosa galeria de amigos e que, para minha felicidade, também acompanham as minhas escritas semanais: os irmãos Fernando e Gerson Raul, filhos do saudoso senhor Pedro Raul, uma das figuras mais carinhosas que o populoso bairro do Lavapés já teve, Edcarlos Rosa e a senhora Tereza Theodoro Camargo.

Por fim, já que tive a ousadia e a paciência de buscar reflexão para enfocar algo sobre POLÍTICA, quero abraçar carinhosamente, uma dupla de cantores que só não está fazendo sucesso, porque ainda não foi convidada para se apresentar na TV “Plin Plin”, caso contrário estariam “arrebentando” em todas as paradas musicais por este Brasil afora: meus amigos Ezequiel Vernech e o grande Juninho da saudosa Banda Imagem.

Os moços do Projeto “NA MODA DOS MODÃO” vêm fazendo a diferença em todos os barzinhos da cidade. Na festa de casamento do casal de amigos Olívia e Vinicius Felipe, ocorrido no Salão de Festas do FUSS (Fundo Social dos Servidores da FM, HC e FAMESP), eles alegraram a galera por mais de três horas. Foi uma tarde muito animada.

 

Rubens de Almeida – Alemão

alemao.famesp@gmail.com