A AGRITEC “CHACOALHOU” AGRICULTORES E PECUARISTAS DA NOSSA REGIÃO

Nossa acolhedora “CIDADE DOS BONS ARES E DAS BOAS ESCOLAS”, mais propriamente a bela fazenda DRAGO RANCH, de propriedade de um dos produtores rurais mais conceituados de todo o Estado de São Paulo, o sempre simpático e atencioso, Eraldo Laerte Drago, foi a “casa” da já tradicional AGRITEC – Feira Agropecuária, Tecnológica e Cultural de Botucatu. Que lugar lindíssimo!

Foram três dias de uma festança muitíssimo especial para grande parte dos integrantes dessa camada de trabalhadores da sociedade brasileira (agricultores e pecuaristas) que tem papel fundamental no desenvolvimento deste país, rico em tudo, porém, muito desigual.

Essa maravilha de feira, que faz parte do calendário de inúmeras cidades vizinhas (onze ao todo) e agrega um “montão” de pessoas comprometidas com seu sucesso, promove, anualmente, esse grandioso encontro entre empresários do ramo rural e de outros segmentos agropecuários e agrícolas. Nesta edição houve uma maiúscula participação da Prefeitura Municipal, através da Subsecretaria de Agricultura; CATI – Coordenadoria de Defesa Agropecuária Regional de Botucatu, Secretaria de Abastecimento do Estado de São Paulo; SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, entre outros membros que constituem o cotidiano ruralista das cidades envolvidas.

A AGRITEC gerou um grande congraçamento entre botucatuenses e seus vizinhos! Que bom! Nossa cidade, que há muito não contava com festividades dessa grandeza, especialmente envolvendo nossos irmãos pecuaristas e agricultores, elevou, mais uma vez, seu nome, ao sediar esta relevante festa para o setor. Só mesmo quem presenciou as muitas atrações oferecidas, ao longo dos três dias de festividades (graças a Deus, este foi o meu terceiro ano de participação), é que pode, efetivamente, avaliar o porquê do meu efusivo entusiasmo.

 Em mais uma oportunidade (já fiz o mesmo nos anos anteriores) bato palmas, muitas palmas a todos os agricultores e pecuaristas que, sempre é bom dizer, são responsáveis pela base da pirâmide econômica e ainda contribuem para que tantos outros setores se movimentem e, mais ainda, a todos os “botucudos” que tiveram a ousadia de abraçar a realização de tão importante evento.

Quem pensava que a festa iria oferecer somente simples atrações – fato bastante comum em festejos desse porte que são realizados por esse Brasil afora – se enganou; a feira apresentou um “pacote” de boas novidades. Tudo começou com um delicioso almoço servido, gratuitamente, a muita gente na sexta-feira, por volta do meio dia. Prezado leitor, não dá para ter a noção de como é fazer uma refeição apetitosa (uma comida caipiríssima), num lugar “pra” lá de encantador, ao lado de um “punhado” de amigos e ainda não desembolsar nenhum tostão. Simplesmente espetacular! Confesso que essa sempre foi a vida que pedi “pra” Deus!

Depois vieram os lances da solenidade de abertura; por sinal, de novo, o Prefeito João Cury Neto “arrebentou”. Chamado ao palco, juntamente com o seu Vice, Professor Antonio Luiz Caldas Junior; Ednei Lázaro da Costa Carreira, Presidente da Câmara Municipal; Milton Bosco, Secretário da Agricultura; Francisco Pereira Neto, o estimado Chico da CATI, Eraldo Laerte Drago; vários secretários de Governo e outros expoentes da cidadania botucatuense, entre os quais o sacerdote mais “festeiro” da cidade, o meu amigo Padre Orestes da Paróquia da populosa Vila Maria – que, inclusive, de um jeito muito especial, enfatizou a importância de caminharmos ao lado DELE, o Todo Poderoso por todos os cantos deste mundo passageiro – o moço que vem transformando a nossa sofrida e arcaica Botucatu, num recanto maravilhoso para se viver bem, deu boas vindas aos presentes; reconheceu as qualidades de todos os agro pecuaristas e agricultores, principalmente do anfitrião Eraldo Laerte Drago; elogiou a postura de uma grande figura chamada Milton Bosco que, merecidamente, vem ocupando um cargo extremamente relevante no seu governo, ou seja, o de Secretário da Agricultura e, por fim, deu a largada nesta grandiosa festança.

“Bão”, o ambiente que estava “todinho tomado” por várias exposições e comercializações de máquinas, implementos e produtos agrícolas, além, de uma bonita exposição de gados (leiteiros e de corte) e de outros animais (aliás, a entrada dos cavaleiros ao recinto, vestidos a caráter, exatamente como nos primórdios dos tempos, e montados em mulas e burros como os primeiros tropeiros antigos (cangaia, bruacas, enfim, traia completa), no início da solenidade também foi “coisa de cinema”), ficou ainda mais aconchegante, com o início da extensa programação musical projetada pela Secretaria Municipal da Cultura, para festejar esse grande acontecimento.

Durante os três dias do evento tivemos uma infinidade de apresentações musicais das mais variadas – desde a moda de viola, música raiz e canções do mundo sertanejo – que culminou com a maiúscula apresentação, na noite do domingo, de um dos maiores nomes da música brasileira: o renomado cantor e compositor Renato Teixeira.

Que legal! Outra vez, volto a utilizar este meu precioso espaço nesta coluna para parabenizar todos aqueles que contribuíram para o sucesso desta festa que, sem sombra de dúvidas, demonstra, ano a ano, sua maturidade e seu admirável crescimento. Com certeza, nesta edição, a AGRITEC, de novo, “chacoalhou” Agricultores e Pecuaristas de toda a nossa região.

Ainda com o coração voltado para todas as maravilhas vivenciadas durante este imponente acontecimento festivo, quero “abraçar” quatro figuras expressivas da terrinha que contribuíram imensamente para que essa festança (de novo) alcançasse sucesso absoluto: meus amigos Osni Ribeiro, digno Secretário da Cultura; Odirlei Bozoni, o grande maestro das noites sertanejas da Rádio Clube FM; Professor Doutor Carlinhos Teixeira, um médico veterinário que dispensa comentários e o diferenciado “radialista” José Aparecido de Paula, meu querido “mano” Zé Piranha, o “bam, bam, bam” das narrativas que dão mais vida aos badalados eventos festivos que se realizam, principalmente, nas áreas rurais.

Com carinho idêntico abraço a turma todinha do “Mane” Luiz, grande “mestre cuca” que, além do seu “time” forte, ainda teve apoio do João Cláudio Tomaz da Silva, o querido Joãozinho da Aquário na “confecção” de toda alimentação. Esses “gigantes da cozinha” capricharam demais no cardápio que foi servido no almoço da sexta-feira. Parabéns!

Claro que entre os possíveis erros e acertos, senti que a dedicação dos organizadores estava voltada tão somente para um sucesso grandioso do evento, porém, também percebi que uma melhora (em tudo) está sendo projetado para a festa do próximo ano, até porque, os expositores, bem como os demais parceiros, acreditam (e muito) numa boa evolução desta festa que tem a “cara” do homem do campo.

Também, de maneira muitíssimo carinhosa, abraço todos os profissionais da Rádio Clube FM, em particular, o meu “irmão” Ferdinando Cezar Lunardi. Esses amigos, com muita propriedade, realizaram na noite do sábado que passou (13/09) a 1ª NOITE DO FOFÁ. Uma festa bonita e recheada de novidades, especialmente para os amantes da dança de salão.

Infelizmente, motivos de última hora me impediram de estar presente em mais uma festança desse porte, porém, soube que a noite “bombou” alegria e tudo de bom, com as dependências da nossa querida Associação Atlética Botucatuense estando repleta de muitos convidados. Parabéns, queridos amigos. Que venha a segunda edição dessa maravilha!

 

 

Rubens de Almeida – Alemão

alemao.famesp@gmail.com