“… ORE POR MIM E PELO BRASIL…”.

A cobertura da visita do ilustre cidadão argentino ao Brasil, o Papa Francisco, foi levada ? exaustão pela mídia e, confesso, não ia mais me posicionar sobre o assunto, porém, diante das inúmeras (e sempre sábias) manifestações do sumo Pontífice, posteriores ? publicação do meu artigo, na semana passada, principalmente, no dia derradeiro da Jornada Mundial da Juventude, ainda merecem consideração.

Assisti ? missa final que a Sua Santidade celebrou na Praia de Copacabana, no último domingo (28/07) e me chamou atenção um cartaz com dizeres “pra” lá de encantadores e esperançosos: “SANTO PAPA, SOU EVANGÉLICA, MAS TE AMO. ORE POR MIM E PELO BRASIL”, no meio de uma multidão de mais de três milhões de pessoas. A mobilização impressionante, deste, que, sem sombra de dúvidas, é o “PAPA DO POVO” me “atiçou” e me fez querer dividir, com os leitores, as minhas impressões.

No apelo desta senhora esteve traduzida toda a desesperança de um povo. Ela, bastante emocionada, deixou evidente a necessidade do povo brasileiro se abraçar mais, se amar mais, enfim, o desejo de ver a nossa gente envolvida, cada vez mais, na solidariedade e na fraternidade, além das supostas divisões que podem determinar as religiões. Foi um gesto grandioso.

Acredito que toda a Nação Brasileira (exceto a “turminha” que sempre é do contra) tenha gostado da estada do Papa Francisco, por quase uma semana, no Brasil; no entanto, os que tiveram a oportunidade de estarem bem próximos a ele, no Santuário de Aparecida, bem como nos eventos realizados na “Cidade Maravilhosa”, devem estar mais felizes e realizados, exatamente como esta senhora evangélica que emocionou não só a mim, mas, certamente a todo o povo brasileiro. Como foi agradável ver milhões de jovens brasileiros concentrados num evento popular (por vários dias) sem bandeiras de partidos políticos ou de outras facções falidas.

Como devoto DELE, o nosso PAI, acima de tudo (não consigo frequentar nenhuma igreja), achei que o nosso querido e rico Brasil necessitava de um “chacoahão” desse porte. Mais ainda. Depois das tristes manifestações de repúdio da população em relação a toda postura política errada no nosso país, algo de bom e proveitoso, deveria acontecer; por sinal, desta vez, os discursos políticos foram mais amenos, ou melhor, menos indigestos, talvez pelo fato de terem sidos proferidos pelo Vice-Presidente da República, Michel Temer, um homem público bastante concentrado e muito mais equilibrado que a digna Presidente do país.

Acho também que a presença de uma autoridade tão elevada, produziu no povo uma espécie de reflexão extraordinária. Quem acompanhou par e passo, todo o desenrolar dessa jornada nos locais ao lado da comitiva do Vaticano, ou através dos canais de televisão, certamente, reciclará o seu comportamento, especialmente, para aqueles cujos desígnios de Deus “fazem a diferença”.
Creio também que as mensagens em forma de cartazes que os fiéis exibiram (como foi o daquela senhora) são retratos claros de que precisamos, urgentemente, apegarmo-nos mais em Deus, sendo católicos, ou não; afinal, nós todos, só estamos neste mundo incerto e passageiro, pelas vontades DELE, o Todo Poderoso.

Enfim, sinto que o Brasil acordou. Mais uma vez, tenho a convicção de que Deus é, de fato, brasileiro e que somos um povo abençoado. Tão logo ELE sentiu que por aqui estava faltando diálogo (até entre famílias) e que precisaríamos de mais proteção, veio lá uma semana alegre, festiva, emocionante demais e, o mais importante, repleta de orações e boas vibrações.

Querido Papa, eu, um simples discípulo do bem, mesmo ? distância, acabei me rendendo ? sua sabedoria. Graças a Deus, lá em casa, volta e meia, colocamos mais “água no feijão”.

Que venha 2017, ano da volta desse “baita” representante da igreja católica em todo o mundo ao Brasil. Que essa nova visita seja igualzinha a que acabamos de receber, ou seja, que saibamos (de novo) recepcionar um Papa que esbanja saúde, equilíbrio, uma simpatia contagiante e, acima de tudo, que consigamos abraçar um líder religioso que encanta e emociona a todos.

Peço desculpas aos meus colegas de trabalho, do Núcleo Assistencial “Professor Doutor Pasqual Barretti” (Doutor José Ricardo Paciência Rodrigues, Samira Rosalém e Sonia Regina Augusto), que na noite da última sexta-feira mostraram ao mundo todo, através no programa Globo Repórter, da Rede Globo de Televisão, a importância do comprometimento profissional na vida das pessoas (foi tudo muito lindo), por não ter “noticiado” um acontecimento histórico para Botucatu e todos nós lá do FUSS e da FAMESP. Se Deus quiser, na semana que vem reservarei todo este espaço para contar o motivo de tão importante reportagem.

Meu fraternal abraço desta semana é endereçado a um garoto maravilhoso, aniversariante da terça-feira passada (30/07) e que, além de ser leitor dos meus “causos”, sempre ouve os conselhos de padrinho: meu querido amigo e afilhado Thiago Manzini.

Com muita satisfação estive ao lado de todos os seus familiares para cantar o tradicional “Parabéns a Você” e ajudar a cortar o bolo. E, é claro, tomar algumas “redondinhas”.

Rubens de Almeida – Alemão
alemao.famesp@gmail.com