“… NOSSA SENHORA ME DÊ A MÃO, CUIDA DO MEU CORAÇÃO…”

Olá, prezado leitor, não tenho dúvida de que você gostou do título que escolhi para revelar minha tamanha admiração e fé que carrego no meu coração em relação ? Protetora de todos os brasileiros, Nossa Senhora Aparecida.

Já há alguns anos, nos dias que antecedem 12 de outubro, data tão significativa para toda a Nação Brasileira, por ser o Dia de Nossa Senhora Aparecida, coincidentemente, Dia das Crianças, procuro buscar inspiração na fé que alimento pela nossa Padroeira e elevar o espírito para escrever e aproveito esta coluna para render uma homenagem especial através do refrão de uma das músicas mais bonitas e emblemáticas sobre Nossa Senhora, que o “Rei” Roberto Carlos compôs: “… NOSSA SENHORA ME DÊ A MÃO, CUIDA DO MEU CORAÇÃO…” (? s vezes – como neste ano – por motivo alheio ? minha vontade, manifesto-me posteriormente ? data).

Nesse feriado costumo, junto de outros amigos, tornar algumas crianças mais alegres, muito especialmente, aquelas que, lamentavelmente, não ganhariam sequer uma pequena lembrança, visto que a maior luta que enfrentam, a SOBREVIVÊNCIA, faz esquecer que é possível sonhar. Porém, com as graças DELE, neste ano, mais uma vez, foi uma festança só. Consegui, com a ajuda de muita gente presentear a “meninada” com grandes festas e também meditar ao lado da família. Momentos, sem dúvida, impagáveis, que “chacoalharam” positivamente esta minha vidinha passageira.

Vivi um dia muitíssimo especial debaixo das bênçãos de Nossa Senhora, a Padroeira, e estive (direta ou indiretamente) em diversos bairros periféricos da cidade para mostrar a importância das nossas queridas crianças. Houve muita comemoração em diversos bairros (24 de maio, Mutirão, Vila Real, Parque Marajoara, Rubião Junior e muitos outros) e, em todos esteve presente a nossa boa vontade (minha e de meus colegas de grupo) em servir e agradar junto dos muitos voluntários organizadores desses festejos.

Acerca do lado espiritual tudo transcorreu da maneira como planejado, o que também foi muito gratificante. Mesmo que eu não tenha ido a nenhum templo religioso, em momento algum, deixei de “conversar” com ELA e pedir mais uma vez que me proteja e reforce minhas estruturas para que eu continue a trilhar o caminho do bem.

Enfim, em mais um ano, tive a grata satisfação de curtir um Dia das Crianças fantástico (confesso que em algumas festas “voltei” a ser criança) e uma comemoração em homenagem ? “Padroeira do Brasil” de forma grandiosa.

Nada melhor do que um texto como este para mostrar aos meus leitores a importância da fé, da solidariedade e da comunhão e, por fim, o orgulho que sinto como cidadão botucatuense em ver a nossa gente atuar como equipe, principalmente, nas proximidades do Natal, para enviar um abraço muitíssimo carinhoso a um senhor de 97 anos, muito lindo, inteligentíssimo, amável, inclusive, com seus amigos, possuidor de uma simpatia de causar inveja, dono de uma saúde perfeita, extremamente atuante e comprometido com tudo e um autêntico admirador da natureza, pai dos meus vizinhos de rancho lá no aconchegante Bairro da Mina (os Professores Edson Alves e Maria Nazareth Gonçalves): meu amigo Francisco Gonçalves Gamero.

Para minha alegria, exatamente, no dia da Padroeira do Brasil, recebi deste verdadeiro poeta do coração, além do costumeiro abraço, a sua mais nova obra: o livro ‘FRANCISCO, POETA DO CORAÇÃO’.

Se isso não bastasse, essa relíquia que, com certeza, irá rechear ainda mais a minha enorme coleção de livros, chegou até minhas mãos, autografada e com uma bonita dedicatória.

Rubens de Almeida – Alemão
alemao.famesp@gmail.com