Mais uma vez o impasse das festas de Botucatu

Mais uma vez a falta de um espaço para eventos foi caracterizada na ocasião da Virada Cultural Paulista realizada na Praça da Catedral. E mais uma vez a lei municipal 4.629 de 2005, que proíbe este tipo de evento na praça foi desrespeitada. E vamos voltar ao assunto, já que o velho impasse vem à tona.

Afinal, onde realizar as festas? Há muito se fala que a cidade passou do tempo de ter seu próprio Recinto de Eventos que possa dar um mínimo de conforto ao público, sem causar um caos no transito e transtornos à comunidade. Não estou dizendo que Botucatu não deva ter eventos de grande porte. Devem sim! E muitos!  A população precisa disso. O problema é que o local não é adequado. Simples assim!

São citados locais como o Espaço Cultural, na Avenida Dom Lúcio; Fazenda Lageado;  Recinto da JVC, na Avenida Pedretti Neto; Estádio Municipal João Roberto Pilan – Inca, na Vila Antártica;  Aeroporto Municipal Tancredo Neves, entre outros.  Foi até cogitado até de se fazer a festa ao lado do Shopping Botucatu, mas não teria sentido pagar por um espaço privado para fazer uma festa pública que só beneficiaria o privado.

O pior de tudo é que já temos um local excelente e centralizado, perfeito para realização de grandes festas, com espaço físico plano muito maior do que a Praça da Catedral.  E com um atenuante positivo: de fácil acesso à população. Esse local é área onde funcionava a antiga oficina de locomotivas da Estrada de Ferro Sorocabana (EFS), ao lado da estação.

A área pertence a Rede Ferroviária Federal (RFF), mas Botucatu ganhou o direito de usufruir por anos e anos seguidos do espaço. O que falta para tornar aquele espaço em um dos melhores recintos da região?  Não sei a metragem correta de toda aquela área, mas acredito que caberia lá dentro, pelo menos, duas (áreas) como a da Catedral. Todas as festas de grande porte seriam realizadas lá.

O que machuca é que cidades não muito distantes como Avaré, Bauru, Jaú, Torrinha, Ourinhos e Lençóis Paulista têm seu próprio Recinto para realizarem suas festas e eventos. E Botucatu, não pode ter o seu?  Qual a dificuldade para, pelo menos, elaborar um projeto audacioso e moderno e tentar recursos junto às esferas federal e estadual para que aquele espaço seja utilizado de maneira adequada em prol da municipalidade?  Buscar parceria com uma empresa especializada? Terceirizar?  É triste ver tudo aquilo abandonado à própria sorte.

A verdade é que alguma coisa tem que ser feita nesse sentido. Botucatu não pode mais ficar nesse impasse de em toda festa do calendário municipal, mandar as festas para a Praça da Catedral e descumprir a lei.  O evento que poderia permanecer naquele espaço, seria o da Festa de Sant´Anna. O motivo é óbvio.  É isso!