Essa Copa do Mundo não é nossa, mesmo!!

A frieza da população de Botucatu, pelo menos até agora, com relação à Copa do Mundo, é o retrato do que está acontecendo no Brasil. Isso porque o brasileiro se sente ludibriado e muito pouco motivado. Quando foi anunciada a Copa no Brasil há cinco anos, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu que não haveria investimento de dinheiro público para custear as obras que deveriam ser feitas em diferentes setores, principalmente na mobilidade urbana e construção de novos e caríssimos estádios. Os custos da Copa do Mundo estão estimados em mais de R$ 30 bilhões.

Ocorre que o que foi dito não se cumpriu. Sabe-se que 95% do investimento na Copa vieram dos cofres públicos, ou seja, paga com o dinheiro do suado dinheiro do contribuinte, cuja grande esmagadora maioria sequer irá passar perto de um desses estádios. Não bastasse isso os mandatários da Federação Internacional de Futebol Associado, mais conhecida pelo acrônimo de Fifa, literalmente, colocou o Brasil de quatro, dando os ombros à nossa Constituição e impôs suas próprias regras.

A Fifa deu as ordens para que tudo fosse feito de acordo com o seu padrão, interesse, marcas e patentes. Decidiu o que se pode e o que não se pode vender nos estádios, o que se pode e o que não se pode veicular como propaganda, as palavras que não se podem pronunciar. Até no direito de ir e vir (a Fifa) mexeu. A serviço dela estará um verdadeiro aparato policial, revistando e interceptando quem não gosta de futebol, mas passa perto do estádio.

Então essa copa no Brasil, definitivamente, é dessas raposas da Fifa. E o governo brasileiro que além de jogar a conta para o povo pagar fecha os olhos para esses desmandos todos. Até o final da Copa do mundo o Brasil servirá de capacho para os estrangeiros dessa entidade que vêm apodrecendo o futebol ano após ano.

Como brasileiro não posso deixar de torcer pelo Brasil, mas as duras penas e acho que temos tudo para vencer. Mas será custoso torcer para essa safra de jogadores, muitos deles verdadeiros mercenários, que usam a seleção como plataforma para engordarem suas já milionárias contas bancárias com contratos nababescos. Eles estão tão preocupados com o sucesso da seleção quanto eu com o que acontece na política monetária de Marrakech.

O pior de tudo é que se exibe aos olhos do mundo o retrato de um país incompetente e desastrado, onde a ordem é o caos, onde impera a violência, a criminalidade, a pobreza, a falência dos sistemas de saúde e educação e o desaparecimento do dinheiro público esvaindo-se pelos tentáculos da corrupção. E após a copa com raras exceções, os suntuosos estádios construídos com dinheiro público se transformarão em verdadeiros “elefantes brancos” sem nenhuma utilidade que irão se deteriorar com as intempéries do tempo.

E vamos falar a verdade: Foi-se o tempo em que éramos os artistas, os mestres, os gênios que encantavam platéias com um futebol que enchia os olhos. A exceção de Neymar todos os demais convocados se nivelam. Dos nossos jogadores já não emana aquele brilho intenso de outrora. Não somos mais o foco. Mas acredito que por ser no Brasil, nossa chance de conquistar mais um título é muito grande. Se a Fifa quiser. E ela quer!