Debates de acusações e vazios de propostas

Os dois debates desta semana promovidos, respectivamente, pela Rede Bandeirantes de Televisão e SBT entre os candidatos a presidência da república Dilma Rousseff e Aécio Neves foram bastante acirrados e a troca de farpas e acusações deram a tônica dos encontros. A maior preocupação foi a busca de um candidato atacar o oponente.  No geral, o embate não deixou de ser divertido.

O formato de embates diretos com blocos de perguntas e respostas entre os presidenciáveis acabou favorecendo o clima tenso e os ataques frontais. Quem esperava conhecer programas, projetos e ações, se frustrou.  O erro de estratégia ficou por conta do SBT que iniciou a transmissão em horário em que a grande maioria dos brasileiros ainda está se deslocando para casa.  Por isso a audiência do SBT ficou muito abaixo da Band,

Depois dos confrontos ao vivo dos candidatos na televisão, a discussão continuou pelas redes sociais e na propaganda gratuita onde os marqueteiros escolheram os momentos em que seus candidatos foram enfáticos em frases de efeito estudadas, estrategicamente, para este fim.

Um dos assuntos favoritos de Aécio foi, como não podia deixar de ser, as denúncias de corrupção da Petrobrás, maior empresa do país e mensalão e chegou a chamar Dilma de leviana e mentirosa. A presidente, por sua vez, destacou as privatizações feitas pelo PSDB quando governo, pagamento de propina  para o projeto de reeleição e nepotismo, além da construção de um aeroporto em propriedade da família. De quebra, literalmente, chamou Aécio de bêbado.

Aquela pauta das reivindicações da população em junho do ano passado não foi colocada em nenhum debate. Grandes questões nacionais, como a reforma política, desemprego, reforma agrária, plano nacional de mobilidade urbana e a política externa também não. Tampouco Dilma ou Aécio tocaram em assuntos polêmicos como os direitos dos homossexuais e o aborto.

Então, o baixo nível e falta de propostas nos debates foi latente. Vamos ver como será o derradeiro confronto da Rede Globo, às vésperas do pleito,  mas não dá para imaginar que seja diferente dos demais.  A criatividade  dos marqueteiros está  direcionada, única e exclusivamente, para  “explorar”  os pontos fracos do adversário. Danem-se as propostas.

Enfim, no meu modo de entender, no que diz respeito a debates, os dois candidatos perderam e fica difícil fazer um prognóstico de quem sairá vitorioso do pleito. Os confrontos até agora, em matéria de propostas foram paupérrimos e deixaram na cabeça do eleitor um jogo de palavras, acusações de ambos os lados e frases de efeito. As pesquisas vislumbram um empate técnico, mas quem acredita nelas?  Que seja feita (e respeitada) a vontade do povo.