Coisas que acontecem…

Arrotando peru

É impressionante como as pessoas tentam passar a todo custo uma imagem longe de sua realidade para mostrar que estão com a “vida mansa”. Como diz o ditado: come chuchu e arrota peru. Isso quando tem chuchu no cardápio. O pior é que essa “gente fina” que depende de outros para sustentar a família não perde a soberba. Vale tudo para mostrar que é feliz! Berinjelas! Até chifre passa a ser apenas um pequeno adorno! Eita ferro! Coisas de Botucatu… 

 

A calçada

O que existe de proprietário de cachorro irresponsável e sem nenhum senso de cidadania não está no gibi! Eles levam seus cachorros para o passeio diário para que façam suas necessidades fisiológicas. Mas isso acontece, geralmente, na calçada do vizinho, que se vê obrigado a limpar. Muitos transeuntes acabam pisando no excremento. Seria civilizado que a pessoa que passeia com seu cachorro tivesse decência de carregar um saquinho para recolher os detritos. Mas falar em civilidade e decência para algumas pessoas é o mesmo que tentar ensinar um ornotorrinco rouco a imitar Elvis Aaron Presley.

 

Vai ser duro

A campanha eleitoral deste ano promete.  Os transeuntes da Rua Amando de Barros já estão sentindo os efeitos dela, principalmente nas manhãs de sábado onde os cabos eleitorais travam uma verdadeira batalha para interceptar as pessoas e distribuir os famosos “santinhos” com o número de candidatos de tudo que é cidade do Estado. Isso sem falar que as caixas de correspondência estão sempre “abastecidas”. Vai ser um festival de “papé”! Batatas! Vale tudo!

 

Vai ser duro, sim!

O pior de tudo em campanha eleitoral é ouvir as promessas de campanha que são feitas, principalmente no horário eleitoral gratuito para ludibriar os incautos. A política chegou a tal nível de descrédito que fica difícil acreditar em alguém. Por isso é que sou, visceralmente, contra o voto obrigatório que é um resquício da ditadura. Se a votação fosse livre, tenho certeza que o percentual de pessoas que deixariam de votar seria maior do que aqueles escolhem livremente seus candidatos. O povo deveria ter o direito legítimo de escolher se aceita votar ou não. Democracia uma cebola!

 

Vai ser duro III, mesmo!

E tem uma coisa muito importante. Já que o eleitor é obrigado a votar, deve procurar conhecer pelo menos um pouco o passado do candidato. Quiabos! Não tem sentido sair de casa, pegar um “santinho” ao acaso jogado na rua e dar seu voto sem saber quem é o candidato, embora seja esse um direito que o eleitor tem. Em outra situação, caso não se identifique com os candidatos, o eleitor pode votar nulo ou branco. Também não deixa de ser democrático, mas pode ajudar a eleger esses políticos profissionais que estão a dezenas de anos “cozinhando” no poder. Mas, na cabine cada um faz o que quer e vota da maneira que lhe convier. Aceite quem quiser!    

 

Médico monstro

Foi preso esta semana o médico (?) Roger Abdelmassih que estava vivendo nababescamente no Paraguai. Esse cidadão é um exemplo claro de quanto é falha a Justiça nesse país. Ele foi condenado a 278 anos de prisão por 48 estupros contra 38 mulheres. Entretanto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, entendeu que ele não oferecia risco à sociedade e permitiu que respondesse o processo em liberdade. O ministro tomou uma decisão fora do contexto da verdadeira Justiça. Foi uma tapa na cara da sociedade. E a facilidade que teve para fugir foi abismal.

Médico monstro II

Só que em casos desta natureza eu sou muito mais radical, pois se tivesse o poder, prenderia também a mulher de Abdelmassih, Larissa Maria Sacco, de 37 anos, 33 anos mais nova que o mostro. Ela, mesmo sabendo dos crimes aceitou a viver com aquele lixo que se intitulava o “médico das estrelas”. Por causa disso, essa cidadã é igual ou até pior do que ele e ofende o moral de todas as mulheres. É aquela história. “Dize-me com quem andas e dir-te-ei quem és”.  Pra dormir com um lixo rasteiro daquele tem que ser pior do que ele. Farinha do mesmo Sacco!