A ressaca da eleição – Curta e grossa!

Depois das eleições fica sempre a pergunta: Porque Botucatu não elegeu ninguém? Tínhamos votos suficientes (mais de 100 mil na Comarca) para eleger um deputado federal e um estadual, mas novamente ficamos na fila, ou quase na fila, já que o Miltinho Monti, com seus mais de 131 mil votos, irá representar a região. Foi esta a decisão dos eleitores. Pode-se até não concordar com ela, mas deve-ser respeitar. Faz parte do jogo democrático.

E essa lição não irá servir para eleições posteriores. Ou alguém acredita, em sã consciência, que os partidos, doravante, irão se unir para lançar apenas um candidato a estadual e outro a federal? Os partidos têm ideologias diferentes. Cabe sim, ao candidato tentar convencer o eleitorado a aceitar suas propostas de gestão. E um detalhe: a maioria do eleitorado vota no candidato, não no partido.

Seria leviano colocar a culpa da derrota nos políticos da cidade que apóiam candidatos de fora, por razões diversas que não nos cabe julgar. Nossos candidatos também fazem a mesma coisa. Faz parte do jogo. Sempre foi assim! E vai continuar sendo! Também não podemos culpar os eleitores por causa dos votos nulos e brancos. Isso também faz parte do jogo democrático. Ninguém cometeu crime nenhum por não escolher um candidato.

A democracia permite até que o eleitor, cansado de tantas bandalheiras cometidas por políticos no exercício do poder, optem pelo voto de protesto. Ou alguém tem outra explicação para os mais de 1.300.000 votos dados ao palhaço Tiririca? O voto de protesto também é válido. O voto é pessoal e o cidadão eleitor faz dele o que bem entender.

Então, os políticos da cidade que têm pretensão futura devem analisar tudo que aconteceu nessas eleições e fazer uma triagem, pesando os prós e contras, pois a tática adotada, claramente, não convenceu o eleitorado. Para alguns assessores está sendo muito mais fácil culpar as abstenções, os votos brancos ou nulos, do que reconhecer que muitos eleitores não foram seduzidos pela mensagem passadas pelos seus candidatos. Deu no que deu!

{n} Quico Cuter
jornalista, compositor, escritor e autor{/n}