Falando Nisso – A modernidade e a inversão de valores

Os novos rumos da sociedade apontam, de certa forma, para grandes avanços, porém, nota-se que os valores estão sendo dispensados. Temos visto espetáculos por toda a parte de nosso país, mostrando que aquilo que até "outro dia" era correto, agora perdeu o valor, dando lugar para questões controversas, mas que agora são aceitas.

Naquilo que observo, lido com pessoas o tempo todo, penso que a maior responsabilidade esteja na permissividade existente em nossas famílias, tornando a educação familiar algo obsoleto. Vivemos um tempo no qual, por diversas razões, os pais oferem a seus filhos tudo que está, e até mesmo o que não está ao seu alcance. Assim, os filhos, quando chegam na sociedade, no mundo real, apresentam-se como verdadeiros ditadores, acreditando que tudo funcionará de acordo com seus desejos, pois seus pais assim lhes fizeram acreditar.

A educação formal, aquela que tem a responsabilidade de ensinar geografia, português, matemática, tem que ceder lugar a resolução de conflitos intra-sala, pois os alunos lá estão numa verdadeira batalha para disputar o espaço que, nulgam, ser só deles. Muitos aprenderam com seus pais que tudo lhes pertende, inclusive a total atenção do outro. Dividir é vocábulo em extinção.

Além de psicoterapeuta, também sou professor universitário, e o que encontro no ensino superior não é diferente do encontrado nas escolas de ensino fundamental ou médio: pessoas despreparadas para a vida. Muitos jovens cheios de ideais, desde que sejam atendidos somente em suas necessidades e ideias, sem a menos preocupação com o todo. São apenas um reflexo de nossa sociedade, que não privilegia o saber do outro, o conhecimento. Têm o mundo da informação em suas mãos, mas não se valem do conhecer.

Assim, caminha nossa sociedade, cada vez mais cheia de direitos e com pouca consciência de seus deveres.