Fogos de artificio

fotoMês de junho e um mês que os fogos de artificio se fazem presente , aumentado o risco de acidentes. Um fogo de artifício é composto basicamente por pólvora (mistura de enxofre, carvão e salitre ‘nitrato de potássio’) e por um sal de um elemento determinado (o que irá determinar a cor da luz produzida na explosão).

O artefato possui duas características, a Incandescência e luminescência :

Incandescência

A incandescência é a luz produzida pelo aquecimento de substâncias. Quando se aquece um metal, por exemplo, ele passa a emitir radiação infravermelha, que vai se modificando até se tornar radiação visível na cor branca. Isso irá depender de qual temperatura é atingida. Um exemplo de incandescência são as lâmpadas incandescentes, onde existe um filamento de tungstênio que é aquecido e passa a produzir luz, a partir da incandescência. Este fenômeno é, também, visto nos fogos de artifício, nos quais são utilizados metais como o alumínio e magnésio, que ao queimarem produzem alta claridade.

Luminescência

A luminescência é a luz produzida a partir emissão de energia, na forma de luz, por um elétron excitado, que volta para o nível de energia menos energético de um átomo.

Existem hoje, duas categorias básicas de fogos de artifício e de estampido, os fogos “outdoor” e “indoor”. O uso destes produtos pode ser em locais a céu aberto, ou em ambientes fechados, daí seus nomes.dr incendio - 01

Nos momentos de festa, as pessoas bebem, perdem um pouco o senso do perigo e começam a transgredir algumas regras básicas de segurança, como por exemplo soltar rojões em locais com aglomeração de pessoas.

Segundo SBOT (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia) somente no estado de são Paulo fora registrados foram registrados 289 casos de hospitalização nos últimos quatro anos.

Algumas cidades vem aprovando legislação para proibir ou mesmo restringir o uso em horários após as 22:00 horas.

Algumas de regras uso segundo o Governo do Estado de São Paulo : ( http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias)

– Nunca use materiais de fabricação caseira.

– Não armazene grande quantidade de fogos em um único local. Uma simples faísca pode causar um grande acidente.

– Nunca solte rojão segurando diretamente na mão. O ideal é interpor com vários rojões já usados ou varetas, deixando uma distância de pelo menos 60 cm da mão e afastado do rosto.

– Não aponte o rojão para onde há aglomeração de pessoas.

– Evite soltar fogos em proximidade com fios elétricos.

– Não se aproxime da fogueira se estiver segurando copos de vinho quente ou quentão. Como são inflamáveis, a proximidade das bebidas com as fogueiras pode resultar em acidentes.

– Se beber, não solte fogos ou mesmo brinque perto de fogueiras.

– Cuidado com a combinação crianças e biribinhas (bombinhas que estouram quando lançadas ao chão). As faíscas podem atingir substâncias com potencial para incêndio, como o álcool utilizado para iniciar o fogo das fogueiras, e provocar acidentes.

Da Silva