Unesp, 40 anos

A Unesp fez em 40 anos (1976 – 2016) o que algumas universidades do mundo ainda não fizeram em 400 anos. É hoje exemplo de universidade descentralizada e multicâmpus. Passou, de uma universidade quase desconhecida para uma universidade lembrada e respeitada no Brasil e no exterior.


Criada em 1976, a partir de 15 institutos isolados de ensino superior que existiam em várias regiões do Estado de São Paulo, a Unesp é hoje uma das maiores e mais importantes universidades brasileiras, com destacada atuação no ensino, na pesquisa e na extensão de serviços à comunidade.


A Unesp abriga, atualmente, mais de 50 mil alunos, sendo 37 mil na graduação e 13 mil na pós-graduação. Tem cerca de 10 mil em cursos a distância e 2 mil que aprendem mandarim no seu Instituto Confúcio, premiado duas vezes como o melhor do mundo. É ainda a segunda maior universidade pública em número de cursos de graduação (134) e de pós-graduação (141 programas).


A Unesp é responsável aproximadamente por 22% da produção científica do Estado de São Paulo e 8% da produção do Brasil. Isso tem contribuído para o posicionamento da Unesp em diversos rankings, sendo, por exemplo, a primeira no país entre as universidades com idade de até 40 anos. Considerando o Academic Ranking of World Universities (ARWU), a instituição ocupa a posição 301ª a 400ª entre as Universidades Internacionais e no Brasil está entre a 2ª/5ª posição. Entre as Top 50 abaixo dos 50 anos, do Ranking QS, está entre as posições 71-80 do mundo, sendo a terceira da América do Sul e a segunda do Brasil.


Comparando-se apenas as Universidades dos países de economias emergentes (BRICS), a Unesp é a 27ª colocada, sendo a terceira da América do Sul e a segunda no Brasil. No ranking da Nature Global Index, que analisou as áreas de física, química, ciências biológicas, ciências da terra e meio ambiente, a Unesp ficou como a segunda universidade brasileira e quarta da América do Sul, ficando entre as 500 do mundo.


Os serviços ligados aos trabalhos acadêmico e administrativo desenvolvidos nas 24 unidades universitárias e na Reitoria da Unesp contribuem para manter 11 mil empregos diretos e injeta na economia desses municípios perto de 2,3 bilhões de reais, valor somado dos gastos com pessoal, encargos, equipamentos e investimentos. Se for adicionado o montante de R$ 665 milhões, gasto total dos alunos que estudam nestas 24 cidades e 34 faculdades, chega-se a quase R$ 3 bilhões.


Nos últimos anos têm crescido, de forma significativa, os projetos desenvolvidos pela Unesp em parceria com as prefeituras municipais. Merecem destaque os que têm grande repercussão pelo seu impacto social, relacionados ao meio ambiente, ao manejo dos resíduos sólidos e orgânicos, as ações dirigidas à proteção dos mananciais. Há ainda os cursinhos gratuitos preparatórios para os vestibulares e os serviços prestados por várias unidades diretamente ligados à área de saúde.


Em síntese, a melhor avaliação e a maior prova do seu sucesso é o grande interesse de todos os municípios do Estado em ter um Câmpus da Unesp, promovendo ações sociais, culturais, intelectuais, políticas e econômicas.


Julio Cezar Durigan é reitor da Unesp