UMA QUESTÃO DE LOGÍSTICA

O próximo Presidente da República, tem como dever, administrar todos os recursos e receitas de nosso país, evitando a corrupção e melhorando a qualidade de vida dos brasileiros. Pelo menos, no papel está escrito assim.

Na realidade a questão é outra. O Brasil é um dos piores países do mundo para se viver se compararmos aos padrões Europeus. Nossa saúde é um caos, a segurança uma piada e as escolas tem um péssimo nível de ensinamento, com alunos terminando o ensino médio sem saber ler ou escrever.

Existem outros problemas pontuais que deveriam receber atenção especial de nossas autoridades, mas infelizmente nada se tem feito. Entre tantos fatos negativos que assombram a sociedade brasileira, gostaria de citar um, que ao longo dos anos vem sendo cada vez mais ignorado. O Transporte.

A logística brasileira lida com um país cheio de extremos e dificuldades. No estado de São Paulo, temos as melhores estradas, mas infelizmente as mesmas são pedagiadas, encarecendo a entrega do produto ao consumidor. Na região Norte e Boa parte do Nordeste, diminuem-se os pedágios, porém as rodovias são intransitáveis, sobrando os prejuízos para os caminhoneiros, que tem que arcar com quebras constantes dos equipamentos, culpa dos incontáveis buracos e condições adversas que estes profissionais, lidam no dia a dia.

No meio de tudo isso está o governo, cheio de promessas infundadas, atolado em escândalos e corrupções, onde ao invés de investir na melhoria das estradas, mostra toda sua incompetência e incapacidade administrativa, e perde tempo e dinheiro, consertando os buracos na economia, causados pelos políticos corruptos que nada fazem por nós.

No Brasil, 90% do transporte é feito através de rodovias, que por sua vez tem 80% de sua malha em situação ruim ou péssima. A frota de caminhões no Brasil é de aproximadamente 16 anos, enquanto nos Estados Unidos cai para 9 anos. Para se ter uma idéia de como somos atrasados em transporte, ainda no Brasil, lidamos com uma parte dos caminhões com carroceria de madeira, que além de facilitar os desperdícios no transporte de grãos pelas estradas, ainda são pesadas, fazendo o veículo gastar mais combustível. Na Europa, Estados Unidos e Japão, o governo desses países, vem incentivando cada vez mais as carrocerias de alumínio, transformando os mesmos em campeões ao desperdício no transporte de grãos.

No Brasil as bizarrices são motivos de piadas. Um preso, custa em média 5000 mil reais por mês aos cofres públicos, enquanto um estudante de faculdade custa 4000 mil reais por ano. Mesmo assim, somos obrigados a engolir candidatos que acham melhor, pasmem os senhores, construir mais presídios para combater a criminalidade.São políticos que amam “dar murro em ponta de faca” e acreditam que a maior parte do povo, não tem o mínimo de cérebro. Como um governante que pensa desse modo absurdamente errado, pode resolver problemas mais sérios, como o transporte através de estradas ?

O caminhoneiro é um profissional que lida com inúmeras dificuldades, que hoje em dia são impensáveis em países desenvolvidos. É absurdo aceitar que os motoristas de caminhão tenham que lutar contra estradas de barro que podem causar atolamentos dos veículos, burocracia nos portos na hora de entregar a carga, podendo ficar dias esperando, viagens longas sem o mínimo de conforto e insegurança com medo constante de assaltos. Quando os mesmos trafegam por rodovias em melhores condições como as que estão no Estado de São Paulo, aparecem os fantasmas dos pedágios, com preços abusivos, que brotaram aos montes. E ainda existem governantes que tem a coragem de fazer comparações das estradas de hoje com o passado numa nova astúcia de achar que “não temos cérebro” de novo. O assunto é extenso e vamos continuar debatendo na próxima edição, trazendo novos dados e fazendo novas comparações. 

 

César Junior.