TUDO SOBRE A BIBLIA Nº56

Shalom Adonai! (A Paz do Senhor!)

Estamos no Ano do Senhor de Dois Mil e Quinze. E muitos que se dizem possuidores de uma erudição diferenciada permeados pela mídia desconhecem como a Bíblia em Linguagem pátria começou a ser difundida e propagada em larga escala. Isso devemos aos primeiros reformadores que, com o advento da prenssa de Gutemberg, tiveram o recurso tecnológico disponível de sua era direcionado à produção das Escrituras Sagradas em língua pátria: no alemão, inglês e demais línguas. Sendo que as manuscritas já tinham sido produzidas – a Septuaginta ou dos Setenta e a Vulgata Latina de Jerônimo que aprendeu hebraico no Egito. A dificuldade dos autógrafos e diversos tipos de manuscritos tanto em cursiva ou uncial (nomes de letras antigas dos manuscritos). O texto recebido e o texto crítico. São exemplos das dificuldades que os tradutores e transliteradores encontraram e ainda encontram para reproduzir a fidelidade do texto santo. Mas, deixemos para próximas virações do dia e prossigamos no degustar do texto santo em – Gênesis capítulo 2 e verso de número 19, que diz: “Depois que formou da terra todos os animais do campo e todas as aves do céu, o Senhor Deus os trouxe ao homem para ver como este lhes chamaria; e o nome que o homem desse a cada ser vivo, esse seria o seu nome.” [Bíblia de Estudo TEMAS EM CONCORDANCIA – Nova Versão Internacional/ editora central Gospel] Deus, o Senhor Eterno, como podemos notar – após fazermos uma observação –completando sua obra criativa dos animais irracionais, não tinha ainda dado nome algum para cada animal criado e deixado soba guarda de Adão. Quer fosse esse um animal limpo ou animal imundo; um gado ou gado miúdo. Ainda não tinham recebido um nome que os identificasse e diferenciasse; da mesma forma ocorrendo com as aves e os peixes. Deus passou os animais perante o homem para que este os nomeasse; podemos compara com um comandante do exército que manda seu subcomandante passar em revista a tropa. Todos foram com grande probabilidade foram nomeados pelas suas características primárias através da observação humana. O homem, coroa da criação tinha assim desde os primórdios uma atividade a desempenhar, um trabalho a executar ainda que este não lhe rendesse remuneração financeira em espécie, ou seja, dinheiro. Existem pessoas em nossos dias que abominam o trabalho, mas, este já acompanha a humanidade desde há muito. Como seria a vida de um ser humano ocioso? Não se exercitaria; nem física, nem mentalmente e isso faria com que ele adoecesse gradativamente. Sei que dirá que o homem primordial não podia adoecer; mas, lembre-se da fraqueza humana e do pecado que viria adiante. Deus não criou super-homens e sim seres humanos que apenas eram e ainda são a sua imagem e semelhança para a glória de Deus.

 

Pastor Murilo Mendes Maciel; ThM

Teólogo CEC-CGADB

COMOESPO nº1348 /CGADB nº74041

pr.murilomaciel@gmail.com