TUDO SOBRE A BÍBLIA – nº8

Estamos no Ano do Senhor de Dois Mil e Dez.

E prosseguimos no desvendar dos misteriosos arcanos da antiguidade, onde o nascedouro da escrita em suas línguas primitivas, muitas já consideradas línguas mortas; foram sendo desvendados e elucidados.

Dentre as línguas mortas, ou seja, aquelas que com a mudança e avanço cultural foram caindo no desuso e no esquecimento por uma razão ou outra; estão o Koinê – que é o grego comum, ou seja, como chamamos o grego do novo testamento e o Latim – que é a língua romana a qual muitos escritos proibidos na idade média foram produzidos nessa língua.

No meio popular comum pouco se houve a respeito de traduções da Bíblia.

Entramos quando se trata desse assunto na esfera dos achismos.

Um acha isso, o outro acha aquilo e um terceiro acha outra coisa totalmente diferente dos dois primeiros, mas qual é a verdade?
A mitologia é uma ferramenta auxiliar na história e na religião dos povos.

Vejamos então:

A Bíblia; na realidade são texto ou fragmentos destes colecionados no Antigo ou Velho Testamento aparecendo em duas línguas – HEBRAICO E ARAMAICO.

O GREGO no Antigo Testamento surgiu de uma tradução histórica para uns e lendária para outros, chamada de Septuaginta, ou a tradução dos setenta.
Esses setenta na realidade – se podemos dizer assim, segundo as Antiguidades Judaicas de Joséfo, foram na realidade 72 e não foram quais quer copistas sem reputação; foram setenta e dois sábios judeus que zelosamente fizeram a tradução de seu livro sagrado, objetivando compor a famosa Biblioteca de Alexandria, no Egito.

Demétrio Falero era o nome do diretor da Biblioteca e por ordem de Ptolomeu II (Filadelfo), filho Ptolomeu Soter, rei do Egito – trabalhava com extremo cuidado para reunir de todos os lugares do mundo dignos da honra de comporem a Biblioteca real. Dentre estes estava a Lei dos Judeus e foram escolhidos seis sábios de cada tribo de Israel para cumprirem tal tarefa de tradução.

Assim sendo 6X10 = 60, 6X2 = 12; 60+12 = 72.

Temos então – se foram enviados de Israel 6 sábios de cada tribo para traduzir do Hebraico para o Grego as Leis Judaicas, já são 72 e não setenta, a Septuaginta.

Aí é que nasceu a primeira tradução da Bíblia.

O Novo Testamento já era em Grego.

Temos então se juntarmos o primeiro trabalho de tradução a língua já redigida na época da igreja primitiva teremos uma Bíblia em Grego, Koinê.

A Biblioteca de Alexandria teve suas dependências arrasadas pelo fogo e se tornou lendária na história antiga.

Pr. Murilo Mendes Maciel
Teólogo – OTIB nº44

macielmurilo@bol.com.br