TUDO SOBRE A BÍBLIA – nº5

Estamos no Ano do Senhor de Dois Mil e Dez.

Pinturas, cuneiformes e hieroglíficas escritas em pedra, argila ou rocha foram elementos utilizados para comporem os materiais que arqueologicamente nos chegam como comprovações históricas de lendas, costumes, tradições e mitos dos povos da antiguidade.

Nos tempos idos do Império Romano, quando este dominava com grande poder e autoridade os registros imperiais eram feitos em tabletes, não de argila; mas sim em tabletes de bronze.

O papiro egípcio também foi muito utilizado para a finalidade da escrita.
Nos papiros egípcios além de cânticos, ritos mágicos e fúnebres encontramos diversos tipos de cálculos matemáticos – dentre estes papiros podemos citar o famoso “Papiro de Berlim”.

A escrita que marcou a história foi a da “Pedra de Roseta”.

As grandes civilizações contribuíram muito para nossa sociedade de maneira que até hoje continuam influenciando nosso cotidiano.

Também se escrevia sobre o couro.

Temos então escritas em – pedra, blocos, argila, bronze, pergaminho e papiro.

Quando o material permitia ele era enrolado facilitando o seu transporte e armazenamento.

Os grandes povos que foram um grande marco são – Sumérios, Caldeus, Assírios, Egípcios, Hebreus, Gregos, Romanos e Celtas.

Não podemos nos esquecer da nossa milenar China e dos nossos Japoneses.

Não é apenas a grafia que marcou a história, mas a arte plástica também teve sua grande colaboração na definição das deidades dos povos – onde pela preservação das ultimas estátuas em homenagem aos deuses podemos perceber qual a divindade que finalmente prevalecia dentre todas as suas variações na mesma cultura.

Temos então juntamente com a escrita a escultura e os monumentos que marcaram milênios.

A própria Bíblia faz menção sobre Livros e Registros reais não apenas judaicos, mas também de outros povos.

Um grande livro se podemos chamar assim foi As Tábuas da Lei ou as duas tábuas sagradas dadas por Tutmósis.

Tutmósis, era o nome do filho adotivo de Termutis princesa egípcia.

Esse adotivo egípcio que poderia ter sido o herdeiro do trono de Faraó foi nada mais nada menos que o libertador dos Hebreus, conhecido por nós como Moisés.

Pr. Murilo Mendes Maciel
Teólogo – OTIB nº44
macielmurilo@bol.com.br