Parcialidade de Galvão Bueno continua…

A polêmica foi grande. O comentário desta semana, retrata uma possível ordem do engenheiro chefe de Felipe Massa, para que o mesmo “destruísse” a corrida de Lewis Hamilton. O possível fato ocorreu no GP de Cingapura e só não teve um desfecho pior porque no choque entre os dois, o ferrarista também foi muito prejudicado.

O que chama a atenção é que Hamilton tocou em Massa, prejudicou o bico do carro obrigando-o a parar nos boxes fora do programado, voltou para a corrida e poucas voltas depois foi obrigado a cumprir como punição um “drive-throught” (passar pelos boxes com velocidade reduzida), porque a direção de prova entendeu que ele (Hamilton) era o responsável pelo acidente com Massa, voltando nas últimas colocações. Hamilton terminou a prova em 5º lugar. Massa fez apenas uma única parada extra e terminou em 9º.

Não é que eu queira pegar no pé, mas Galvão Bueno, no momento do acidente entre os dois pilotos, comentou que Hamilton precisava de um psiquiatra, que o piloto inglês estava fora de si e que vinha cometendo barbaridades ao longo do campeonato. Foi levantado por ele (Galvão) e Reginaldo Leme, que Hamilton não estava bem psicologicamente, porque havia perdido o apoio de seu pai após uma discussão.

O que não dá para entender é como seria possível Hamilton ter problemas mentais e estar pilotando de forma tão genial como vem fazendo. O que Galvão Bueno não explica (e não tem capacidade para isso) é que Hamilton simplesmente está passando por uma fase ruim assim como Felipe Massa. Só que o piloto inglês mostra que tem muito mais categoria de driblar a crise. As provas do piloto inglês vêm se transformando em verdadeiros shows de pilotagem é são uma atração ? parte.

É feio e antiprofissional um locutor de televisão ficar tomando partido apenas pelo lado brasileiro. O telespectador fica sem a informação correta e não sabe direito o que acontece.

É verdade que Bruno Senna vem desempenhando um ótimo papel dentro da equipe Renault. Como estreante ele surpreendeu mais que seu companheiro de equipe Vitaly Petrov, que está ha muito mais tempo competindo. Só que a realidade é outra completamente diferente daquela que, mentirosamente, é exposta ao público. Senna ainda está em fase de adaptação e cometeu alguns erros que foram prejudiciais a equipe. O sobrinho de Ayrton Senna não é tudo isso que foi, insuportavelmente, falado. No máximo Bruno está apenas “convencendo”, mas jamais encantando. Se no futuro teremos um próximo campeão mundial ninguém sabe. Apenas nos dá a impressão que Bruno Senna ainda precisa melhorar e muito, para erguer a taça. Galvão Bueno no GP da Itália, chegou a fazer uma apologia entre Bruno e o tio. “…é que na realidade eu vejo um piloto brasileiro de nome Senna, embaixo de um capacete amarelo pilotando um carro preto…” foi mais uma das pérolas vociferadas pelo locutor que deveria sair do ar.

Pode parecer que eu sou repetitivo e completamente nulo de idéias, pois esta é a terceira matéria que faço comentando minha insatisfação com Galvão. Mas pelo amor de Deus, será que ninguém da Rede Globo está vendo que já deu? Galvão Bueno não está agradando ninguém. Na internet é grande o número de internautas que pedem a saída do locutor, pelo menos da Fórmula 1. Nós estamos refém de um “cara” que não relata a verdade dos fatos e maquia tudo que for em relação ao Brasil. Felipe Massa erra é porque a Ferrari não escolheu o pneu certo. Massa vem fazendo uma campanha sofrível demais em 2011 é porque os mecânicos fizeram isso ou aquilo, ou porque o asfalto da pista é assim ou assado.

Hamilton vem cometendo erros tenebrosos sim. Este ano então, a coisa está feia. Mas é indiscutível a capacidade do piloto inglês de guiar. É muito superior a Massa. Esta é a verdadeira realidade.