O povo de Deus é bom e santo!

Gostaria de colocar o nome de uma pessoa em oração… É sempre assim que começam as ligações para mim e eu coloco num papel e dou um jeito de fazer o mesmo chegar aos pés de Jesus no Sacrário (aquela peça dourada que está com uma luz vermelha acesa  onde nós católicos cremos que Jesus Cristo está presente na forma de pão (hóstia).

Sempre que me ligam terminam dizendo: reze por mim padre.

Mas porque me coloquei a começar este texto desta forma?

Por me lembrar de um senhor que encontrei (pra variar) nos corredores da UNESP. Ao chegar ao lado de seu leito perguntei se ele queria uma benção e ao que, prontamente me disse querer confessar-se, pois era seu aniversário e eu, cheio de alegria, lhe disse que o presente era ele quem estava dando a Jesus; de voltar-se ao Senhor e devolver a Ele toda a benção e todo amor que Ele lhe tem.

Às vezes a gente não se apercebe de tanta alegria que damos a Deus quando nos voltamos a Ele através da Eucaristia ou da Confissão. Como Deus fica feliz e realizado ao nos ver voltar ao seu abraço. Ele nos ama, sabia disso?

Gosto de ver rostos alegres e felizes quando entro nos quartos da UNESP e a esperança está ali estampada por receber a benção de Deus.

Como aquele rostinho alegre daquela senhora que me pediu um tercinho para orar.

Como o povo de Deus é bom e santo!

Sabe de uma coisa? Às vezes a gente nem percebe que o amor de Deus se estampa em cada um que encontramos e em cada coisa natural que vemos… Em cada coração. Como é difícil a nós “povo moderno” descobrir tempo para amar e acolher em nós a alegria do amor simples que está numa flor que nasce, cresce, desabrocha e morre para tornar-se adubo para o novo que vem depois.

Como se faz urgente e necessário a gente aprender a abrir os olhos diante das coisas pequenas e lindas que se nos apresentam diante de nossos olhos e que não precisam de explicação, mas sim de abertura ao entendimento de que existe Alguém lá em cima (modo de falar) que nos ama e que fez tudo certinho para podermos mais amar e ser felizes neste tempo curto que aqui passamos.

É necessário pararmos um pouco…

Noutro dia estava eu a orar diante do Santíssimo Sacramento (para nós católicos é Jesus vivo na hóstia consagrada) e me veio um pensamento: porque a gente perde tanto tempo com tantas “doiduras” e se esquece do essencial? Porque será que os seres ditos “modernos” se perdem tanto com guerras e armas nucleares e se esquecem de criar formas de não haver terremotos e maremotos que assolam tantas cidades e tanta gente?

É… Precisamos aprender a mudar nossos valores, pois o tempo está passando muito rápido e daqui a pouco não teremos mais tempo.

Como fico a imaginar as crianças de hoje sem um futuro limpo amanhã.

Temos muito a fazer… Vamos à luta?

Com um beijo de Deus, pelos lábios de Maria, em nosso coração:

 

Pe. Delair Cuerva.