Não podemos deixar para depois aquilo que se deve fazer agora

O mundo está deveras de cabeça pra baixo… Assim falava meu avô!

As coisas estão indo, parece, de mal a pior, e parece que o povo está perdido assim como o tempo… Uma confusão de ideias, de sentimentos, de valores que a gente não sabe direito onde ir e o que pensar de verdade…

Vemos as crianças que não têm mais aquela pureza que lhe era notória… Os adolescentes viraram adultos, ao menos nas atitudes e não nas responsabilidades e objetivos… Os jovens continuam sem saber ao certo o que querem, mas quando querem “dão no coro” e os adultos (nós) envelhecemos e já estamos com todos os sintomas da velhice adiantada… Os idosos, ah, estes pobres… Melhor nem comentar, pois continuam sem a paciência da família para com eles… E, como diz o papa Francisco: “Graças aos progressos da medicina, a vida se alongou: mas a sociedade não se “alargou” à vida!

O número de idosos se multiplicou, mas as nossas sociedades não se organizaram o suficiente para dar lugar a eles, com justo respeito e concreta consideração por sua fragilidade e sua dignidade. Enquanto somos jovens, somos induzidos a ignorar a velhice, como se fosse uma doença a manter distante; depois, quando nos tornamos velhos, especialmente se somos pobres, se estamos doentes, sozinhos, experimentamos as lacunas de uma sociedade programada sobre a eficiência, que consequentemente ignora os idosos. E os idosos são uma riqueza, não podem ser ignorados”… Inda bem que temos a ASFA a querer acolher e dar dignidade a estes… Sem querer fazer propaganda… Mas já fazendo! (Risos)… Ah, e ainda estamos acertando nossa casa de Joaquim e Ana para acolher, em período integral,  nossos,  carinhosamente chamados por mim,  de “veinhos” para lhes dar carinho e afeto, mesmo quando eles não deixam em sua “rabugice” que nos faz rir… Pode ligar 3813-4410 e falar com a Luciene… Fiz meu comercial!

Tudo isso para deixar bem claro que temos que aprender a amar cada etapa de nossa vida e não deixar para amanhã o que temos que fazer hoje… Já que não sabemos o nosso final e nem sequer se o teremos breve.

Nós não podemos esmorecer em fazer o máximo para fazer valer as coisas boas de nossa vida… Não podemos deixar para depois aquilo que se deve fazer agora… Não podemos, pois não sabemos como será o amanhã.

As coisas nos vêm e vão numa velocidade maluca e por isso não se deve deixar de fazer o máximo para ser feliz; desde que esta felicidade pessoal não seja a tristeza coletiva.

O tempo vai passando e a gente vai perdendo cada vez mais o controle sobre o tempo e sobre nós mesmos, pois parece que o tempo roda sem percebermos… Daí a necessidade de nos abrir a entender aquilo que somente nós podemos fazer.

Vamos aprender a amar o tempo que se apresenta diante de nós?

Com um beijo de Jesus, pelos lábios de Maria e no abraço de José ficará mais fácil…

Este amigo que quer ter mais tempo para fazer o melhor possível:

 

Pe. DelairCuerva, fmdp