Momento de Sabedoria: Uma vida nova de novo

Às vezes, nós sentimos dúvidas se realmente vale a pena a nossa vida, temos momentos de tristeza e de imensa felicidade, sonhamos e idealizamos conquistas que talvez nunca aconteça ou que um dia vai acontecer com certeza. Isso é o instinto do ser humano.

            Diante de tragédias e catástrofes naturais o ser humano se humaniza, redime se de alguns feitos na vida e renasce novamente, assim é a vida das pessoas de fé. Aquele ponto de exclamação desaparece em nossas cabeças e somos abençoados pelo momento de imensa fortuna que aparece em nós por pessoas ou ocasiões diversas.

            O homem tem um insisto natural pra insatisfação, a cada ano busca mais, vemos com freqüência a troca de coisas e objetos, porém no lado sentimental, vem acontecendo com maior freqüência, lares, famílias e comunhões ganha um sentido diferenciado porque a liberdade humana nunca foi tão discutida e questionada como nas ultimas duas décadas que vivemos. Porém nos últimos dez anos a quantidade de coisas inabaláveis tem nos abalado constantemente, catástrofes e incêndios, inundações, terremotos e maremotos; até vulcões que antes dormiam estão acordando.

            É realmente o mundo e as pessoas estão em mudança constante, o dia já vai embora, já estamos no oitavo mês de dois mil e quinze e o ano foi de grande conquista ou não, infelizmente nosso povo brasileiro está passando por corrupções que transformam nosso suave dinheiro em zero. Todos os meses nos deparando em coisas que fazem nos ficar mais cansados de acreditar em seres humanos e pessoas normais. Como fazer para esquecer o mal e continuar essa vida com fé? Será que não falta pra nós a fé então? A vontade de querer e acontecer não são a mesma vontade de Fazer e acontecer para Deus, pois nós temos um plano e Ele tem outro para nossas vidas.

            Assim fiz uma breve introdução do que Deus quer de nos, porém antes de pensarmos em bens materiais vimos os tesouros que Deus nos guardou, é imenso a salvação de nossas almas: Jesus ele é a porta.

Vejamos em João o que é revelada sobre isso a parábola de sua missão na terra.

1 Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador.
Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas.
A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora.
E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz.
Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.
Jesus disse-lhes esta parábola; mas eles não entenderam o que era que lhes dizia.
Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas.
Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram.
Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.
O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.
Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas.
Mas o mercenário, e o que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa as ovelhas.
Ora, o mercenário foge, porque é mercenário, e não tem cuidado das ovelhas.
Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido.
Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai, e dou a minha vida pelas ovelhas.
Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor.
 18 Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la.
Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai.