As polêmicas mal resolvidas

Certo grau de mal estar está criado dentro da Red Bull. A ultrapassagem polêmica de Sebastian Vettel sobre Mark Webber na Malásia, contrariando ordens de equipe, provocou a insatisfação do piloto australiano, que havia recebido momentos antes, instruções para diminuir os giros do motor e economizar carro e pneus.

Na internet, muitos se mostraram a favor de Vettel, que teve a benção do chefão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, declarando que o mesmo era um vencedor. Errado. Vettel foi anti-desportista e mostrou que é igual a seu compatriota Michael Schumacher, disposto a passar por cima de tudo e todos em busca de resultados positivos.

Antes de sermos movidos pela emoção do momento, é bom lembrarmos que uma equipe de Fórmula 1 é composta por dois pilotos. Que fique claro que a palavra equipe, define que ambos os lados devam estar dispostos a lutar pelo bem comum da mesma, independente dos resultados pessoais.

Não posso concordar com Vettel, da mesma maneira que jamais concordei com Schumacher e a ultrapassagem polêmica na Áustria em 2002. Em ambos os casos, houve má fé contra os princípios de suas respectivas equipes. Por mais estranho que pareça, a Ferrari depois contra ela mesma, propondo a ultrapassagem do alemão contra o brasileiro nos metros finais da reta dos boxes, mostrando um lado pouco simpático do heptacampeão. Dessa vez foi ao contrário. Vettel depôs contra a ética e moral pessoal e indicou que seus princípios são meramente egoístas e pessoais.

Longe de mim qualquer análise que seja contrária ao objetivo básico de um piloto automobilista, que seja vencer corridas. É lógico que sempre todos querem ganhar e isso é o combustível que rege as corridas até hoje. Mas nada impede a moral e bons costumes que podem definir o caráter de um campeão, como no caso envolvendo Vettel e Webber.

Pilotos de corridas, devem primeiramente ser regulares em suas participações. Se vencer melhor. Se não, mantenha-se numa posição confortável que dê para marcar pontos. Este é um procedimento típico da honestidade e lealdade interna.

Vamos aguardar as próximas provas, para vislumbrarmos o comportamento do australiano em relação a seu parceiro. As ordens agora podem ser inversas e Webber tem a “faca e o queijo na mão”, para contestar qualquer obrigação imposta pela Red Bull.

No próximo final de semana, teremos mais provas automobilísticas, como a etapa de Londrina da Fórmula Truck. Estaremos acompanhando.

Até lá pessoal.