APRENDENDO COM OS TOMBOS DA VIDA

O parto da girafa é feito com ela em pé, de modo que a primeira coisa que acontece ao recém-nascido é uma queda de aproximadamente dois metros de altura.

Ainda tonto, o animal novinho tenta firmar-se nas quatro patas, mas a mãe tem um comportamento estranho: ela dá um leve chute e a girafa- filhote cai de novo no chão.

Tenta levantar-se e é de novo derrubada. O processo se repete várias vezes, até que o recém-nascido, exausto, já não consegue ficar em pé.

Nesse momento, a mãe novamente o instiga com a pata, forçando-o a levantar-se. E já não o derruba mais.

A partir daí, ele se levanta sozinho, com forças, e consegue ficar firme de pé.

A explicação é simples: para sobreviver aos animais predadores, a primeira lição que a girafa deve aprender é levantar-se rápido para fugir dos inimigos.

Portanto, a aparente crueldade da mãe- girafa tem a importante função de treinar o filhote para que não seja devorado pelos outros animais selvagens. Esse aprendizado vai ser fundamental para a própria sobrevivência da espécie.

Levando para o lado da família, um bom pai e mãe não é aquele que apenas o cria, mas aquele que sabe ensinar os seus filhos a se desenvolverem na vida, nem que tenha de ser, aparentemente, um pouco rude.