A triste sina do brasileiro na atual Fórmula 1

Este final de semana teremos a edição do GP da Europa de Fórmula 1, disputado nas ruas de Valência na Espanha. Em total fase de recuperação, Fernando Alonso fechou o último dia de treinos livres na primeira colocação e terminou com a melhor volta cravada em 1min37s968. Lewis Hamilton foi o segundo com 1min38s195, Sebastian Vettel ficou com a terceira colocação marcando 1min38s265 e a grande surpresa ficou com o heptacampeão Michael Schumacher, que cravou o quarto tempo e fechou a última volta de treinos livres com 1min38s315.

Mais uma vez, nós brasileiros ficamos na saudade e mais uma vez Felipe Massa já demonstrou que os próximos dois dias serão difíceis para ele e para a moral do automobilismo brasileiro. Enquanto Alonso cravou a primeira colocação, Massa ficou apenas com a quinta colocação e Rubinho com o 12º tempo.

Já me manifestei sobre este assunto várias vezes e comentei no meu programa de rádio “Momento Padock” que é apresentado na rádio Municipalista todos os domingos a partir das 14h20. Felipe Massa e Rubens Barrichello, literalmente, envergonham a história do automobilismo brasileiro, que um dia vibrou muito com Ayrton Senna, Nelson Piquet e Emerson Fittipaldi. Este último, aliás, ganhou uma vaga na equipe Lotus após a morte de um companheiro de equipe nos treinos para o GP da Itália de 1961 e na primeira oportunidade ganhou a corrida que foi realizada nos Estados Unidos, ficando em definitivo com a vaga.

Confesso que fico triste ao ver um piloto como Felipe Massa se arrastando pelas pistas do mundo afora e sendo motivo de chacota e especulação, enquanto seu companheiro de equipe, que no papel deveria ter o mesmo carro é muito superior que o brasileiro.

A vida de Massa nós últimos GPs é ficar arranjando desculpas e colocando a culpa no carro. Uma hora é o pneu, outra é a pressão aerodinâmica, ou então, é a equipe que não sabe fazer o pit stop direito… Enfim, é um bando de desculpas e argumentos.

Cai na real Felipe! Você já era. Está na hora de você deixar lugar para outro, pois você já deu o que tinha que dar. Ganhou muito dinheiro, fez seu nome no mundo do automobilismo, quase vira herói por acaso aquele ano que foi vice-campeão. Mas acorda pra vida! Não dá mais! O automobilismo brasileiro é muito mais que um monte de desculpas. É Ayrton Senna da Silva, que ganhava corridas sem as mínimas condições do carro, é Nelson Piquet, que brigava pau a pau com Carlos Reutemann ou Emerson Fittipaldi que enfrentou de frente Jackie Stewart, não um sujeitinho antipático que fica pelos cantos com um monte de blá, blá blá e não resolve nada.

Com certeza deve ter alguém dizendo: “É Cesar, mas o Felipe foi vice-campeão mundial e só não conseguiu por que o Lewis Hamilton conseguiu o título na última curva”. Eu respondo. Primeiro: quem foi quem disse que Hamilton é também um grande piloto? No mínimo razoável, mas não gênio. Segundo: foi Felipe Massa que quase conseguiu o mundial ou foi o Kimi Raikkonen que aquele ano vivia uma má fase? E, por último, convenhamos, que nem sorte de campeão o Felipe tem. Não é verdade?

Abraços e até a próxima