Sindicatos entram em acordo e convenção coletiva do comércio finalmente é assinada

Na manhã dessa segunda, dia 23, em coletiva de imprensa realizada no auditório Cyro Pires na prefeitura de Botucatu, foi anunciado o acordo coletivo referente ao ano de 2015, com reajuste salarial de 9,88% e com pagamento divido em 4 parcelas a partir do mês de junho.

Nos discursos do prefeito João Cury, Fátima Baldini, presidente do Sincomércio Botucatu, e Marcos Oyan, presidente-interino do Sindicato dos Comerciários, foi dito que a demora na aprovação do acordo se deu em função do presidente destituído Carlos Negrisoli não estar disposto a dialogar.

O prefeito João Cury, que foi chamado como mediador desse acordo, defendeu que o respeito tem que ser presença constante no diálogo entre os sindicatos. “Esse encontro tem por objetivo mostrar o novo momento dessa relação. Daqui a pouco eles vão conflitar os interesses no novo acordo de 2016, mas o momento é outro, o bom senso e o diálogo tem que existir. Por trás desse momento existe a construção de um entendimento. Os propósitos agora são mais honestos, um se colocando no lugar do outro, e não com interesses pessoais. Agora nós temos bons propósitos, honestos, e isso foi abalado no passado recente.”

Marcos Oyan, presidente interino que assumiu o cargo no último dia 09 de maio, após a destituição de Carlos Negrisoli, fez questão de rebater a frase bastante utilizada por seu antecessor. “O trabalhador ficar em pé, são ossos do ofício. O sindicato irá trabalhar sempre pelo bem do trabalhador, mas sem ilusão como era pregado anteriormente”.

Questionado sobre uma possível volta de Negrisoli e cancelamento do acordo firmado, o sindicalista completou; “Hoje quem está assinando essa convenção é o bom senso dos sindicatos, se o Carlos voltar, o que eu não acredito que possa ocorrer, a responsabilidade em um possível cancelamento do trabalho, feito pelo próprio sindicato, é só dele. Eu acredito que o sindicato não tem um dono que passe por cima de toda uma categoria que trabalha todo dia”.

Segundo Marcos Oyan, essas mudanças tem sido muito bem aceitas pela categoria. "Tenho caminhando pela Amando e o apoio tem sido muito grande. Nas assembleias, que começaram de forma muito difícil, até aplaudidos nós fomos”, concluiu.

As conversas para o reajuste salarial, foram iniciadas em setembro de 2015, porém sem sucesso e com aprovação apenas 8 meses depois. “Uma nova visão, são novos tempos, eu confio totalmente nessa parceria daqui para frente, a gente pode ter pensamentos diversos, mas o objetivo é o mesmo a manutenção das portas abertas das lojas e do emprego. Quero de público agradecer o Marcos que tem tratado as questões do sindicato de uma maneira totalmente diferente, colocou Fátima Baldini. O acordo não foi assinado em setembro de 2015 porque o Sincomerciários não quis assinar. Nossa categoria queria e muito ter aprovado, mas infelizmente não ocorreu”.

Os percentuais concedidos nos últimos anos foram: 2008/2009 – 9%; 2009/2010 – 7%; 2010/2011 – 7,5%; 2011/2012 – 9,8%; 2012/2013 – 8%; 2013/2014 – 8%;  2014/2015 – 8,5%; 2015/2016 – 9,88%.

A nova discussão salarial, referente ao ano de 2016, terá início já no próximo mês de setembro. Temas como horário de funcionamento do comércio, abertura do Shopping no feriado de 1º de maio, entre outros, estarão em pauta.