Servidores municipais em estado de greve prometem ato público

Os servidores públicos municipais não aceitaram a mais recente proposta feita pelo Poder Executivo e não chegaram a um acordo para consolidar um acordo salarial. Em razão disso eles prometem fazer um ato público na Praça Emílio Peduti – Bosque, a partir das 9 horas desta sexta-feira, onde pretendem entregar uma carta aberta ? população explicando as reivindicações da classe que estão em estado de greve desde a semana passada.

Eles não aceitaram nenhuma das três propostas, inicialmente, sugeridas pelo Poder Executivo. Os servidores pleiteiam uma reposição salarial de10%, mais o aumento de R$ 100,00 no vale compras alimentos, que passaria de R$ 300,00 para R$ 400,00, equiparando o mesmo com o vale dos servidores da Câmara Municipal.

As três propostas anteriores da administração municipal foram: 4% de reposição mais R$ 50,00 no vale compras; 4,5% de reposição mais R$ 30,00 no vale compras e a 3ª de 5,7% de reposição sem aumento no vale compras. As três foram rejeitadas. Uma quarta proposta do Executivo foi apresentada para avaliação dos servidores. A prefeitura daria 6% de aumento, sem aumento no vale compras, ou 5,5% com acréscimo de R$ 15,00 no vale compras, que passaria para R$ 315,00.

Esta quarta proposta também foi rejeitada em reunião em assembléia realizada na noite desta quinta-feira na sede do Sindicato dos Trabalhadores Municipais onde foi decidida a permanência do estado de greve decretado a semana passada pelos servidores municipais. Os servidores presentes resolveram rejeitar as novas propostas apresentadas pelo prefeito municipal João Cury, que compareceu, pessoalmente, na assembléia realizada no sindicato, para expor a impossibilidade de o Executivo atender a reivindicação dos servidores.

“Mesmo reprovado em assembléia e sem o término do prazo negocial (data base), que termina dia 31 de maio, o prefeito declarou que irá encaminhar para a Câmara Municipal o projeto de reposição de perdas dentro das propostas rejeitadas. Isso poderá gerar uma greve dos servidores”, comentou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Municipais, José Manoel Leme, o Mané.

“Devemos estender o manifesto até o Poder Legislativo, indo na Câmara Municipal na próxima segunda-feira para buscarmos o apoio dos senhores vereadores. Todos os servidores estão convocados para essa luta em defesa da nossa valorização, a união nesse momento é imprescindível, para conquistarmos nossos direitos”, complementou Mané.

A categoria espera construir um acordo até dia 31 de maio, quando finda a data base. Caso não haja esse acordo, o Sindicato dos Servidores Municipais adiantou que irá coordenar uma greve geral a partir do 1º de junho.