Servidores do Fórum retornam ao trabalho

Os cartórios das 2ª e 3ª Varas Cíveis do Fórum de Botucatu, que haviam paralisados parcialmente suas atividades na quarta-feira em razão da greve deflagrada em todo Estado de São Paulo, retornaram ao trabalho na manhã desta quinta-feira. Nos demais departamentos forenses não houve paralisação.

Os servidores fizeram um acordo em voltar ao trabalho para definir os rumos da greve dos servidores de Botucatu na reunião que está prevista para ser realizada nesta sexta-feira, ? s 14 horas, em frente ao antigo Fórum de Botucatu.

De acordo com o diretor da 3ª Vara Cível e presidente da Associação da Família Forense, Carlos Eduardo Deléo, o Cacá, os servidores estão divididos se devem ou não acompanhar os servidores estaduais que estão em greve.

“Por isso, conversamos com os trabalhadores que estavam parados e agendamos essa reunião para amanhã (sexta-feira). Nela (reunião) vamos definir o que será feito e a maioria é soberana para decidir se os servidores de Botucatu devem ou não entrar em greve”, comentou Cacá Deléo.

“O que posso dizer hoje, nenhum funcionário está parado. Os que não trabalharam ontem (quarta-feira) voltaram hoje (quinta-feira) ao trabalho e participarão dessa assembléia de amanhã (sexta-feira) para decidir qual será o caminho que iremos tomar. Ou aderimos ? greve ou iremos trabalhar normalmente na segunda-feira”, acrescentou o diretor forense.

Revela que seu objetivo como presidente da Família Forense é explicar aos servidores os motivos da paralisação, mas qualquer decisão que venha a ser tomada deverá ser acatada. “Ninguém vai obrigar ninguém a permanecer parado ou a trabalhar”, explicou Deléo.

Ele lembra que nas duas últimas semanas os funcionários de todo Estado de São Paulo, se mantiveram trabalhando, mas em estado de greve aguardando o posicionamento do Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo, sobre as reivindicações da classe, mas não houve acordo e a greve foi deflagrada para todo Estado de São Paulo.

{n}Razões da greve:{/n}

* Defasagem salarial beirando ¼ do nosso salário;
* Perda do poder aquisitivo frente ? inflação já está insuportável;
* Condições de trabalho pioram a cada dia;
* Falta de funcionários já ultrapassa 15.000;
* Número de processos aumenta assustadoramente;
* Auxiliares fazem o serviço de Escreventes sem ganho salarial;
* Escreventes despacham pelos Juízes;
* Servidores sem receber indenização de férias etc.;
* Juízes recebendo indenização de férias no mês seguinte;
* Entre os Juízes e os Servidores, dois pesos e duas medidas.
* Presidente do TJ indiferente a tudo isso.

Foto: Fernando Ribeiro