Seis empresas querem construir a UPA de Botucatu

A Comissão Permanente de Licitações (Copel) da Prefeitura de Botucatu divulgou a ata de julgamento da documentação apresentada pelas empresas interessadas em participar do processo licitatório para a construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), na região do Jardim Brasil. NO total, seis empresas foram habilitadas para o certame: EEC Engenharia e Construções Ltda.; Mulotto Construções Civis Ltda.; Atlântica Construções, Comércio e Serviços Ltda.; E.A.R. Construções e Instalações Ltda.; Gomes & Benez Engenharia Ltda. e Comercial 3D do Brasil Ltda.

Por ter apresentado Declaração de Vistoria sem assinatura do responsável e por ter apresentado declaração afirmando que caso fosse vencedora do processo apresentaria garantia de 1% do valor do contrato, a empresa Alfini Planejamento e Construção Eirelli EPP foi declarada inabilitada. Caso não haja apresentação de recurso, a sessão para apresentação das propostas com os preços acontecerá no próximo dia 30, às 9 horas, na sala de reuniões da Copel, no prédio da Prefeitura. 

O prédio da UPA 24 horas será erguido nas imediações do Jardim Brasil, região Leste da cidade, numa parceria entre a Prefeitura de Botucatu e o Governo Federal. O valor estimado pela administração é de R$ 3.214.432,34. O prazo para entrega da obra é de 12 meses.  Projeto inclui áreas para Pronto Atendimento, Procedimentos, Apoio Diagnóstico e Terapêutico, Administração, Urgência, Observação, Apoio Técnico/Logístico.

O setor de Pronto Atendimento contará com sanitários públicos, recepção, serviço social, sala para classificação de risco e consultórios. Na área destinada a procedimentos haverá salas para curativos, suturas, aplicação de medicamentos/hidratação e inalação. O setor de apoio diagnóstico e terapêutico incluirá eletrocardiografia, coleta, sanitário, depósito de materiais de limpeza, raio-x, vestiário, câmara escura, arquivo de chapas, gesso/imobilização de fraturas e área de espera do diagnóstico. 

A implantação deste programa é uma das estratégias do Ministério da Saúde para reorganizar, qualificar e fortalecer a Rede de Atenção às Urgências e Emergências no país. O programa foi instituído em 2008 criando incentivo financeiro para melhorar a infraestrutura dos estabelecimentos de saúde que ofertam este tipo de serviço, em que os resultados esperados são: prover condições adequadas para o funcionamento das unidades, melhorando a qualidade da atenção prestada e a ampliação do acesso.

As UPAs funcionam 24 horas por dia, sete dias por semana, e podem resolver grande parte das urgências e emergências, como pressão e febre alta, fraturas, cortes, infarto e derrame. As UPAs oferecem estrutura simplificada – com raio X, eletrocardiografia, pediatria, laboratório de exames e leitos de observação.