Sabesp entra em greve por melhores salários

Desde a primeira hora desta terça-feira os funcionários da Sabesp do Estado de São Paulo entraram em greve. A decisão pela paralisação foi decretada na primeira hora desta terça-feira, depois de uma assembléia realizada na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Água e Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema).

Os funcionários de Botucatu aderiram ao movimento e não entraram para trabalhar na manhã desta terça-feira (foto). Depois de uma reunião entre os trabalhadores, um dos diretores do Sintaema, José Antônio Fagian, os funcionários foram para casa e deverão comparecer em outra reunião marcada para a manhã desta quarta-feira. “Enquanto durar a greve estaremos todos os dias no portão de entrada da empresa fazendo uma reunião com os servidores e explicando como está o movimento”, colocou.

Ele conta que a categoria está em campanha salarial e rejeitou a proposta da empresa em assembléia realizada na noite de sexta-feira da semana passada. A estatal ofereceu

{bimg:4180:alt=a7:bimg}

reajuste de 5,05% (IPC-FIPE) sobre os salários e benefícios e manutenção das cláusulas sociais, pagamento de até uma folha para a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) 2010 e manutenção de 5% de garantia no emprego.

Entretanto, o Sintaema reivindica reajuste de 25,34% para repor a inflação dos anos anteriores mais a correção pelo Índice do Custo de Vida (ICV) do Dieese, aumento real, duas folhas de pagamento com adicionais para PLR com distribuição igualitária e garantia no emprego para 100% do efetivo, entre outras reivindicações.

“Nossa pauta de reivindicações está a 60 dias nas mãos da diretoria Executiva da empresa, que nos apresentou uma proposta que não atende os interesses dos trabalhadores. Por isso foi decidido pela greve por tempo indeterminado até que a empresa ofereça uma proposta melhor”, comentou Fagian.

“A Sabesp é uma empresa que dá muito lucro e isso e em razão da dedicação e da competência dos seus funcionários e tem condições de dar um aumento real de salário aos trabalhadores, assim como, a estabilidade no emprego”, emendou o sindicalista.

Ele salienta que embora a greve esteja decretada, os serviços essenciais da Sabesp irão funcionar, normalmente, ou seja, não haverá falta no abastecimento de água na cidade, assim como os serviços de manutenção continuarão trabalhando.

“A população de Botucatu e de todo Estado pode ficar tranqüila, pois os serviços essenciais permanecerão em atividade. Pedimos que os trabalhadores retornassem ? s suas casas, mas as negociações continuam. Qualquer novidade os trabalhadores serão informados”, frisou Fagian.

Essa informação já havia sido passada ao Acontece nesta segunda-feira pelo diretor da estatal em Botucatu, Arthur Bronzatto. Ele adiantou que a Sabesp de Botucatu estava preparada, caso acontecesse ? paralisação.

“O trabalho administrativo foi interrompido, mas os serviços essenciais que carecem de urgência estão sendo mantidos para que não haja falta na distribuição de água ? população. Os serviços de manutenção da rede também continuarão sendo feitos normalmente”, colocou Bronzatto.

Fotos: Fernando Ribeiro