Restaurante Bom Prato é realidade em Botucatu

Fotos – Divulgação

O atendimento será de segunda a sexta-feira, servindo diariamente 300 cafés da manhã (a R$ 0,50 cada, das 7 às 9 horas e 1.500 almoços (R$ 1,00 por refeição), a partir das 11 horas até o fim da cota diária

 

Na manhã desta quinta-feira, com a presença de diversas autoridades, o Governo do Estado de São Paulo, em parceria com a Prefeitura de Botucatu, inaugurou o 51º restaurante popular Bom Prato. O secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, foi uma das autoridades presentes juntamente com o deputado estadual Fernando Cury e o prefeito João Cury. 

Instalado no campus da Unesp, em Rubião Júnior, o restaurante popular passa a  funcionar de segunda a sexta-feira, servindo diariamente 300 cafés da manhã (a R$ 0,50 cada, das 7 às 9 horas e 1.500 almoços (R$ 1,00 por refeição), a partir das 11 horas até o fim da cota diária. 

Esta será a primeira unidade do chamado Bom Prato Saúde, um novo modelo criado para o atendimento específico da demanda por refeições a baixo custo e com alto valor nutricional em cidades polo na prestação de serviços na área de saúde. Em Botucatu, os grandes  beneficiários serão os usuários do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (HCFMB) vindos de 70 municípios de toda a região, além de pacientes originários de outros estados que se dirigem à unidade em busca de tratamento especializado.

O local escolhido para a instalação do Bom Prato foi o prédio onde antes funcionava o Arquivo Médico do HCFMB, que passou por reformas e adaptações para abrigar cozinha, refeitório, sanitários, vestiários e setor administrativo. Para implantação do restaurante (obras de adequação e instalação de equipamentos) foram investidos pouco mais de R$ 630 mil, com os custos sendo divididos entre a Prefeitura e o Hospital das Clínicas, com interveniência da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp).

O Governo do Estado de São Paulo subsidiará o custeio das refeições. O Instituto J. Augusto vai gerenciar o serviço e atendimento à população. O Bom Prato também estará apto a sediar cursos de qualificação na área de alimentos oferecidos pelo Via Rápida.  “O Bom Prato é o maior e mais importante programa nutricional do país e um dos maiores do mundo em número de refeições servidas. A determinação do governador Geraldo Alckmin é para mantermos severa fiscalização na qualidade dos alimentos e dos serviços prestados à população”, destaca o secretário Floriano Pesaro.

O prefeito João Cury Neto que atuou na articulação para o Bom Prato Botucatu, ao lado do deputado Fernando Cury, valorizou mais uma parceria com as cidades da região, Governo do Estado e Unesp, que beneficiará diretamente as pessoas mais carentes.  “A ideia aqui é dar uma alimentação adequada às pessoas que saem 4 horas da manhã de uma determinada cidade da região pra vir numa consulta e não ter o que comer. E o HC é um local especial, por onde passam cerca de 10 mil pessoas por dia. Aqui estamos fazendo o primeiro (Bom Prato) do estado voltado aos equipamentos públicos de saúde. Coletamos mais de 30 mil assinaturas e unimos a região, mostrando que unidos somos capazes de fazer coisas transformadoras”, afirma.

 

Sobre Bom Prato

O programa de segurança alimentar do Governo do Estado de São Paulo foi criado em dezembro de 2.000 com objetivo de oferecer à população de baixa renda, refeições saudáveis e de alta qualidade a custo acessível. São 50 unidades no Estado, sendo 22 localizadas na Capital, oito na Grande São Paulo, cinco no litoral e 15 no interior. A rede de restaurantes Bom Prato serve diariamente mais de 82 mil refeições (inclusive o que é servido nos fins de semana na unidade de Campos Elíseos).

O almoço, com 1.200 calorias, composto por arroz, feijão, salada, legumes, um tipo de carne, farinha de mandioca, pãozinho, suco e sobremesa (geralmente uma fruta da época), tem custo de R$ 1,00 para o usuário. O subsídio governamental é de R$ 3,81 para adultos e de R$ 4,81 para crianças com até 6 anos, que têm a refeição gratuita.

Já o café da manhã tem leite com café, achocolatado ou iogurte, pão com margarina, requeijão ou frios e uma fruta da estação. A refeição, de 400 calorias em média, custa R$ 0,50 ao usuário. Em setembro de 2011, este serviço foi implantado em todos os restaurantes, com subsídio do Estado no valor de R$ 1,53 por refeição matinal.

Atualmente, o Governo do Estado de São Paulo aumentou em 10% o subsídio passado para as entidades gestoras do programa Bom Prato nas refeições de adultos e 7,58% para crianças. O investimento anual será de mais R$ 7,8 milhões de reais. Desde a inauguração do programa Bom Prato, foram servidas quase 150 milhões de refeições e investidos em torno de R$ 365 milhões entre custeio das refeições, implantação e revitalização das unidades.