Remédio já chega de graça na casa de pacientes

O lançamento do “Dose em Casa”, oficializado na manhã da última quinta-feira (10), faz parte de mais uma ação da Secretaria Municipal da Saúde, por meio do programa “Botucatu com mais Saúde” e faz com que o remédio chegue de graça e na casa do pacientes acamados, deficientes físicos e idosos acima de 60 anos controlados, clinicamente, devido ? hipertensão e diabetes.

Para serem beneficiadas, essas pessoas deverão possuir cartão SUS e estarem em acompanhamento nas Unidades Básicas Municipais de Saúde. Além dos remédios, os pacientes do Dose em Casa também receberão insumos como fitas de HGT e lancetas para o controle de diabetes.

As entregas serão efetuadas na residência do paciente, de segunda ? sexta-feira, das 8 ? s 17 horas, excetuando-se feriados e pontos facultativos. Os medicamentos e insumos serão entregues em um prazo de até dois dias úteis antes de completar 30 dias de tratamento, ou seja, até 28 dias da entrega anterior.

No ato da entrega, o material também poderá ser recebido por outras pessoas, desde que autorizadas pelo paciente. Caso o mesmo não seja localizado no dia da entrega, a Secretaria de Saúde fará mais três tentativas presenciais antes de descredenciá-lo do projeto.

Desde janeiro, a Secretaria Municipal de Saúde realiza um piloto com pacientes do Parque Marajoara com a finalidade de realizar os ajustes necessários a implantação gradual do Dose em Casa para todas as regiões da Cidade.

Além do Marajoara, Unidades de Saúde da Cecap, Jardim Cristina, Peabiru, Cohab 4 e Centro de Saúde 1 também já estão preparados para fazer o cadastramento dos pacientes que estiverem dentro dos critérios do projeto.
A previsão da Secretaria de Saúde é que até o final de julho todas as equipes das unidades espalhadas pelo Município estejam capacitadas para gerenciar a distribuição de remédios ? domicílio.

{n}Comodidade e qualidade de vida{/n}

No primeiro dia do Dose em Casa, o prefeito João Cury Neto, ao lado do vice, Antonio Luiz Caldas Júnior, e secretária municipal da Saúde, Tânia de Cássia Gasparello, fez questão de entregar pessoalmente os primeiros kits de medicamentos, o que gerou surpresa e alegria ? s pessoas contempladas pelo projeto.

“Sofro de pressão alta, então tenho que tomar remédio sempre. Com certeza receber remédio em casa, sem precisar ter que ir ao posto é uma comodidade”, afirma o aposentado José Ricardo de Oliveira, morador da Cohab 4.

De acordo com a enfermeira coordenadora do projeto, Rosana Trevisani Kron, o Dose em Casa será expandido conforme a procura da população. “Só em Botucatu, a população idosa gira em torno de 15 mil pessoas e temos quase 4 mil que são controladas clinicamente por medicamentos. Esperamos que quase 500 se cadastrem até julho. O Dose em Casa é um projeto de adesão e opcional, uma vez que tem muito paciente que ainda prefere retirar seu medicamento na unidade e ter contato com outras pessoas”, argumenta.

O sistema de distribuição gratuito de remédios nos domicílios em Botucatu é algo pioneiro na região e interior do Estado, que tem como referências neste projeto as cidades de São Paulo e Barueri. “Teremos um funcionário exclusivo, devidamente uniformizado e identificado, para fazer essas entregas, que também poderão ser realizadas no local de trabalho do paciente caso ele ainda esteja ativo no mercado. São 51 itens padronizados que são separados de acordo com as necessidades de cada usuário. Na capital, para se ter ideia, esse rol chega a 17 tipos de medicamentos”, compara Rosana, que não descarta futuras ampliações do projeto.

Tânia de Cassia Gasparello lembrou que o Brasil é o sexto no mundo com maior número de idosos, e que 25% dessa população ainda ajudam no sustento de suas famílias. “Nada mais justo que privilegiássemos esse grupo populacional muito esquecido e que tem suas dificuldades de saúde, de locomoção e muitas vezes financeira. Entregar o remédio na casa do paciente é um gesto de respeito do Município a essas pessoas e por isso tenho muito orgulho de fazer parte desse time que está reescrevendo a história da saúde de Botucatu”, diz.

Para o prefeito João Cury Neto, o Dose em Casa representa um dos maiores gestos da atual Administração Pública Municipal na Saúde de Botucatu. “Ampliamos o limite do possível porque priorizamos o lado humano. Mais vale uma ação bem executada do que mil intenções. Essas pessoas não precisarão ter o custo de transporte e muito menos se sujeitar ao sol e a chuva para buscar seu remédio de uso contínuo. O Dose em Casa é mais conforto, qualidade de vida e dignidade na vida dessa gente”, destaca.

{n}Saúde entre as melhores do País {/n}

Botucatu tem o oitavo melhor atendimento do SUS no País, segundo o IDSUS 2012 (Índice de Desempenho do SUS) divulgado pelo Ministério da Saúde. O atendimento de saúde pública recebeu nota 6,86, considerada “boa” pelos avaliadores. A nota do Município é maior do que a média do Estado de São Paulo (5,77) e do que a média nacional (5,47).

Entre as ações e conquistas da atual administração para melhorar o atendimento de saúde pública podem ser destacados: instalação do SAMU, funcionamento do Pronto Socorro Adulto; criação do NASF (Núcleo de Apoio ? Saúde da Família), reforma, ampliação e construção de novas unidades de saúde; aquisição do prédio do Hospital Sorocabana para instalação do Pronto Socorro Infantil; construção do Hospital Estadual de Botucatu (80 leitos) e construção da Clínica para Recuperação de Dependentes Químicos (75 leitos).

Também já foram confirmados pelo Governo do Estado dois novos importantes equipamentos públicos na área da saúde de Botucatu: o Ambulatório Médico de Especialidades (AME) e o Centro de Reabilitação Lucy Montoro.

Ano após ano, a Prefeitura tem aumentado os investimentos em saúde. Em 2011 foram R$ 39.415.213,20 destinados para a área, representando 25,96% do orçamento municipal, muito acima dos 15%, índice mínimo exigido por lei.