Reabertura da Serra atrasa e irrita motoristas que esperaram por duas horas

O relógio apontava quase 17 horas e o calor maltratava os motoristas que se amontoavam pelo acostamento na SP -300. Pronto, a expectativa da reabertura da serra de Botucatu já havia se transformado em profunda irritação.

A data prevista para a liberação do tráfego de veículos leves, carros e motos, quinta-feira, 31 de março, foi pautada por muita confusão no horário. Em um primeiro momento foi divulgado apenas o dia, posteriormente o horário. A concessionária Rodovias do Tietê estipulou e divulgou que a reabertura iria ocorrer às 15 horas. 

"Estou esperando faz mais de duas horas debaixo desse sol. Escutei que seria reaberta pela manhã, depois mudou para tarde. Já não bastasse todo o transtorno dos últimos meses, ainda temos que sofrer desse jeito aqui. Falta de respeito", se indignou Rita Ribeiro, morada de Conchas que está sempre em Botucatu. 

Muitas pessoas se programaram para um horário, mas tiveram os planos frustrados, caso de Isanilton da Silva. "Estou aqui há 1h40m, tenho meus compromissos. Falaram que estão lavando a pista, enquanto isso a gente fica fritando nesse calor", esbravejou o Morador de Pirambóia. 

Nessa situação ficaram dezenas de motoristas, e a maneira que a hora avançava, os carros se avolumavam, assim como o descontentamento. "É uma palhaçada. Faz dois meses que a serra está fechada e hoje que eles resolvem fazer pintura? Se anuncia uma data para reabrir, tudo tem que estar pronto já. Tem crianças e idosos esperando nesse sol aqui", exclamou o motociclista Luiz Fernandes. 

Apenas veículos leves


Nesse primeiro momento caminhões ou veículos que estejam mais pesados não poderão circular pela serra. Os motoristas devem redobrar a atenção, já que em dois trechos a pista ficou estreita. 

"Nos pontos onde tivemos problemas, colocamos uma proteção para isolar, pois ainda estamos em obras em dois locais. Jogamos o fluxo para a pista de subida, dividindo a faixa em subida e descida, consequentemente está muito estreito", explicou Edélcio Meggiolaro, gerente de operações da Rodovias do Tietê.

Dois meses e meio fechada: relembre o caso

A Serra de Botucatu foi totalmente interditada para o fluxo de veículos no dia 11 de janeiro, após as fortes chuvas que atingiram a região. O asfalto cedeu em boa parte da pista na altura dos quilômetros 236 e 237. Em um primeiro momento, a Concessionária não se pronunciava, o que gerou uma avalanche de críticas em diversos setores da cidade.

Moradores locais e usuários do trecho sofreram diversos transtornos, além de considerável prejuízo financeiro. Desvios por estradas vicinais limitadas a carros mais fortes ou enormes voltas por outras rodovias foram alguns dos fatores geraram insatisfação. Lideranças políticas se movimentaram em vários sentidos para a liberação do pedágio, momento que, coincidência ou não, as obras tiveram ritmo acelerado até sua liberação. 

Veja a reportagem da TV Acontece Botucatu:

 

Fotos: André Godinho /Júnior Quinteiro