Projeto “Botucatu 2025” prevê construção de rodoanel

Fotos: David Devidé

Na noite desta quarta-feira (7) a Prefeitura de Botucatu apresentou o projeto denominado “Botucatu 2025”. A iniciativa busca, a partir da criação de um plano diretor para o sistema viário, garantir avanços importantes na mobilidade urbana, integrar as diversas regiões da cidade e estabelecer os novos vetores de desenvolvimento para as próximas décadas.

A proposta foi apresentada em evento que lotou o Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci, com pessoas representando os mais variados setores da sociedade. O objetivo, de acordo com o prefeito João Cury Neto, “foi dar o pontapé inicial para celebração de um grande pacto que mobilize o poder público, a iniciativa privada e a sociedade civil organizada, em torno de um conjunto de obras capazes de fazer de Botucatu uma referência de desenvolvimento sustentável”.

O projeto Botucatu 2025 foi elaborado depois de dois anos e meio de estudos realizados por técnicos da Secretaria Municipal de Planejamento, que levaram em conta aspectos como topografia, adensamento populacional, possíveis desapropriações, impacto ambiental, entre outros. Em linhas gerais, a proposta é avançar na construção de um rodoanel que circundará a cidade e contribuirá para melhoria da distribuição do fluxo de veículos que hoje, por falta de alternativas, tornam o trânsito caótico.

“O grande desafio para as cidades médias é mitigar os prejuízos causados pelo desenvolvimento desordenado. A cidade vive um grande momento, mas não podemos abrir mão de termos um crescimento que preserve nosso grande patrimônio que é a qualidade de vida. Esse estudo passará pela Associação de Engenharia de Botucatu, pela Câmara Municipal para firmarmos um grande pacto”, declarou João Cury Neto.

A opção pelo sistema viário como referência para elaboração do projeto, segundo o prefeito, é por conta do grande impacto que o trânsito tem trazido para a qualidade de vida das pessoas. Diz que, atualmente, a prefeitura fica muito refém de algumas situações que são fruto da falta de planejamento adequado no passado.

“Temos que trabalhar para não deixar esse legado negativo para nossos filhos e nossos netos. O projeto Botucatu 2025 será um divisor de águas porque o poder público vai determinar onde a cidade crescerá, qual o melhor vetor de desenvolvimento, onde serão construídas novas avenidas, que tipo de avenidas, se terão ou não ciclovia. Nosso desejo é que, a partir de agora, os investimentos, obrigatoriamente, obedeçam o plano diretor de sistema viário”, ressaltou Cury.

Segundo estimativas do chefe do Executivo, todas as regiões da cidade serão impactadas com a construção de novas avenidas, integração de rodovias, melhor organização e distribuição do fluxo com rotatórias e viadutos. “A construção desse grande anel vai minimizar os efeitos do trânsito. Hoje são cerca de 80 mil veículos que causam grande incômodo para a população. Apresentaremos uma solução de engenharia e assim que a cidade reunir condições financeiras para executar algumas dessas etapas nós vamos avançando”, explana Cury.

Observa o prefeito que este é um projeto de médio e longo prazo que vai se consolidando ao longo dos anos e que não será executado apenas por um prefeito. “O importante é que novos empreendimentos vão ter que respeitar aquilo que será pactuado com a comunidade”, coloca. “Será um grande pacto de convivência social, que levará em conta toda a diversidade existente no município. Nosso objetivo é deixar uma cidade com maior mobilidade urbana, mais acessível e com mais qualidade de vida para nossos filhos e nossos netos”, conclui.