Programas reforçam a merenda escolar em Botucatu

Fotos: Divulgação

Em Botucatu, desde 2010, frutas, hortaliças e legumes passaram a fazer parte das 23 mil refeições servidas por dia na Rede de Ensino Básico Municipal, Estadual. A iniciativa também beneficia crianças e jovens atendidos por projetos sociais. A medida é tomada cumprimento ? lei federal nº 11.947/09, que determina a utilização, pelo Município, de no mínimo 30% dos recursos repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para a aquisição de alimentos da agricultura familiar para a alimentação escolar.

No total, 13 mil estudantes das escolas municipais e 2.400 crianças das creches são beneficiados com os produtos adquiridos pela agricultura familiar. Os dados são da Cozinha Piloto Municipal.

De acordo com a nutricionista Meire Cristina Gêa, comprar o alimento direto dos produtores locais traz diversos benefícios. “O alimento chega mais rápido e com melhor qualidade no prato de nossos alunos, pois temos a opção de oferecer também produtos orgânicos, livres de agrotóxicos”, argumenta.
Márcio Campos, secretário adjunto de Agricultura e Abastecimento, explica que em 2012 foram publicadas algumas chamadas públicas para aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar para alimentação escolar por meio da Secretaria Municipal de Educação.

“Nesta oportunidade os programas de aquisição de produtos hortifrutigranjeiros dos produtores familiares permitiu que as escolas municipais recebessem pêssegos, ameixas, maçãs e bananas produzidos nos bairros rurais como a Colônia Santa Marina, Pátio Oito e Demétria”, comenta.

Ainda de acordo com o secretário, em Botucatu a agricultura familiar se organizou para atender também outras demandas, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) junto a entidades sociais e o Programa Paulista de Agricultura de Interesse Social (PAAIS) para a aquisição de alimentos da agricultura familiar para hospitais.
“Atualmente, existe uma Associação de Pequenos Produtores Rurais de Botucatu que está mobilizando quinze agricultores familiares para a comercialização de alimentos para as escolas municipais”, ressalta.