Procon passará a atender no horário de almoço

Depois da iniciativa da Prefeitura Municipal de optar em não fechar na hora do almoço para atender os munícipes que só tem esse horário para resolver seus problemas, a partir do dia 4 de abril, o Procon (Proteção ao Consumidor) de Botucatu deixará de fechar no horário de almoço ampliando o período de atendimento ao público. Atualmente, o órgão funciona de segunda a sexta-feira, das 8 ? s 11 horas e das 13 ? s 17 horas.
No novo horário, o atendimento passará a ser feito das 8 ? s 16h30, de forma ininterrupta.

A mudança é resultado de uma solicitação feita pelo prefeito João Cury Neto. “Diante de algumas solicitações pedi que a equipe do Procon estudasse uma alternativa para estender o atendimento ao público no horário de almoço. Há consumidores que só tem esse período para buscar algum tipo de orientação ou registrar alguma queixa. Fico satisfeito e cumprimento os funcionários que compreenderam a importância desse gesto e encontraram a solução adequada. Há situações que são resolvidas de forma simples, com diálogo e boa vontade. Essa é uma delas”, frisou.

O Coordenador do Procon de Botucatu, Márcio César Lopes da Silva, adianta que a equipe que hoje conta com seis funcionários e um estagiário deverá ser reforçada para atender a demanda. “Por conta desse novo horário deveremos contar com mais um funcionário e outro estagiário”, diz.

O secretário municipal de Administração, Luiz Augusto Felippe, revela que desde que foi implantado o novo horário de atendimento na Prefeitura, havia a intenção de fazer o mesmo com o Procon, que está sob sua alçada.
“Não estamos preocupados apenas com a quantidade, mas com a qualidade do atendimento que é oferecido ao cidadão. Na Ouvidoria, em 2010, tivemos vários registros de elogios ao trabalho da equipe do Procon. Com esse novo horário vamos aprimorar um serviço que já é bem avaliado pela população”, enfatiza.

O Procon funciona em Botucatu desde 1991. Em média, são realizados 60 atendimentos presenciais por dia, além de uma grande quantidade de atendimentos telefônicos. Em 2010 foram contabilizados 2.704 processos, dos quais 80% foram resolvidos administrativamente e os 20% restantes foram encaminhados para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Juizado Especial Civil para prosseguimento judicial.

{n}Os 2.704 processos do ano de 2010 foram distribuídos da seguinte forma:{/n}

1° Reclamações contra bancos – 700
2° Reclamações contra operadoras de celulares – 344
3° Reclamações contra telefonia fixa – 104
4° Reclamações contra produtos e serviços – 1.556
Total do ano de 2010: 2.704 atendimentos

Fotos: Macaru