Prefeitura recebe recursos para o novo prédio do CAMIM

O prefeito João Cury Neto recebeu em seu gabinete, na manhã desta quarta-feira (24), o diretor da DRADS (Diretoria Regional de Assistência e Desenvolvimento Social) de Botucatu, Carlos Malagutte. O encontro teve como objetivo oficializar a liberação de recursos para a construção do novo prédio do CAMIM (Central de Atendimento ao Migrante, Itinerante e Mendicante).

O ato foi acompanhado pela secretária municipal de Assistência Social, Amélia Maria Sibar; pelo presidente da Câmara Municipal de Botucatu, vereador Ednei Carreira; pelo diretor administrativo da DRADS/Botucatu, Flávio Augusto Cassini Carnietto; pela diretora do Núcleo de Convênios da DRADS/Botucatu, Cristina Valéria Vernini dos Reis e pela agente social Fernanda Percario.

Serão investidos R$ 556.583,39 para execução das obras. O Governo do Estado já depositou R$ 300 mil na conta da Prefeitura. A contrapartida do município será da ordem de R$ 256.583,39.

O projeto, elaborado pela Secretaria Municipal de Assistência Social, prevê a construção do “Espaço Acolhedor”, um novo prédio com capacidade para atender 40 pessoas em situação de rua ou em trânsito no município e outras 25 para acolhimento institucional. As novas instalações serão erguidas no mesmo terreno onde funcionava o CAMIM. O prédio, que por décadas acolheu os migrantes e pessoas em situação de rua, teve que ser interditado após as fortes chuvas de janeiro deste ano.

“O prédio antigo era ótimo mas depois de um certo tempo passou a apresentar problemas estruturais. Além disso havia um problema grave em relação ao lançamento de esgoto direto no rio. Independente das chuvas que só agravaram a situação no início deste ano, tínhamos que sair de lá de qualquer maneira. O novo prédio será construído de acordo com as necessidades da clientela que atendemos. Haverá um ganho na qualidade do atendimento”, destaca Amélia Sibar.

O diretor da DRADS fez questão de enaltecer o empenho de todos que contribuíram para a liberação dos recursos que permitirão a execução da obra. “Hoje é um dia muito feliz para o município de Botucatu. O convênio foi assinado em 2012, quando a Amélia ainda dirigia a DRADS e agora chegou o momento da liberação do recurso. É gratificante poder participar desse momento importante da história de Botucatu. O prefeito está de parabéns pela forma como vem tratando as parcerias com a Secretaria de Desenvolvimento Social”, comenta Malagutte.

Segundo ele, Botucatu é citada como referência no tocante a elaboração e gestão de projetos na área de assistência e desenvolvimento social. “Aqui os projetos são tratados com seriedade e a aplicação dos recursos vai de encontro ? s necessidades da população”, completa.

Satisfeito com a garantia dos recursos para executar mais uma obra importante em seu governo, o prefeito João Cury faz questão de agradecer o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Rodrigo Garcia. “A emenda de R$ 300 mil é de sua autoria. Foi a forma que ele encontrou para retribuir os votos que obteve em nossa cidade. Somos muito gratos por isso”, comenta.

Em relação ? construção do novo prédio do CAMIM, o chefe do Executivo enfatiza que o investimento torna-se ainda mais importante pelo público-alvo que será atendido. “São pessoas que perambulam pelas ruas, dormem nas praças e ficam ? mercê da sorte. Pessoas que estão de passagem pelo município. Elas têm que encontrar no poder público a mão amiga. Mais do que um ato de governo é um ato cristão, de solidariedade.

Em parceria com o Estado, a Prefeitura já executa um belo trabalho de assistência e acolhimento a essas pessoas. A Secretaria de Assistência Social, em parceria com a Guarda Municipal, recolhe essas pessoas, acolhe, dá comida, roupa e faz o encaminhamento social. Com a construção do novo prédio teremos condição de melhorar ainda mais nosso atendimento”, afirma Cury.

Atualmente, o CAMIM atende a população em situação de rua em um imóvel alugado na Rua Capitão Tito, 131, próximo ao Terminal Rodoviário. A previsão é que a construção e entrega do novo prédio aconteça no prazo máximo de um ano e meio.