Prefeitura emite nota oficial sobre reajuste dos servidores

Na tarde desta sexta-feira o prefeito municipal João Cury Neto, através de sua assessoria, encaminhou uma nota oficial, fazendo uma explanação geral sobre o impasse criado com o reajuste dos servidores municipais, que estão em estado de greve e prometem uma manifesto público para a manhã deste sábado.

Nenhuma proposta do Executivo foi aceita pelos servidores que ameaçam entrar em greve a partir do dia 1º de maio e o Chefe do Executivo anunciou que enviará ao Poder Legislativo, um decreto fixando em 6% o reajuste dos servidores públicos municipais. Conheça a íntegra da nota:

Desde a abertura das negociações salariais com representantes do funcionalismo público municipal de Botucatu, com vistas ao reajuste salarial da categoria, a administração tem pautado sua conduta pela transparência, pela ampliação da participação e valorização dos servidores e pela manutenção do equilíbrio e controle das contas públicas.

Tomando como base o índice inflacionário de 5,49% apurado nos últimos 12 meses (período maio/2009 a abril/2010) e a previsão de arrecadação projetada para o município, foi fixado o valor de R$ 2,8 milhões para ser destinado ao reajuste do funcionalismo.

Trabalhando com essa realidade, o Executivo formulou duas propostas que foram apresentadas ? Comissão de Negociação e depois encaminhadas para avaliação dos servidores em Assembleia: 1) reajuste salarial de 4% e aumento de R$ 50,00 no vale-compra alimentos e 2) reajuste salarial de 4,5% e aumento de R$ 30,00 no vale compra alimentos. Ambas levavam em conta o compromisso assumido pela atual administração de não conceder reajustes abaixo da inflação e, dentro do possível, contribuir para a redução das perdas salariais acumuladas nos últimos 12 anos.

Os índices propostos foram recusados e nova rodada de negociação foi feita. A administração, buscando o entendimento, formulou mais duas propostas: reajuste salarial de 5,5% e aumento de R$ 15,00 no vale-compra alimentos ou reajuste salarial de 6%.

Assim como já fizera na negociação do dissídio salarial de 2009, o prefeito João Cury Neto (foto) compareceu pessoalmente ? Assembleia da categoria, realizada na noite de quinta-feira (20) e detalhou aos servidores a evolução das negociações e as limitações de natureza orçamentária que impedem a administração de oferecer percentual maior de reajuste. Ainda que parte dos servidores optasse por aceitar reajuste de 6%, a maioria dos presentes recusou as propostas.

Com a certeza de ter buscado todas as alternativas possíveis para oferecer um reajuste digno ao funcionalismo sem comprometer o pagamento de serviços essenciais (coleta de lixo, iluminação pública e recape e pavimentação asfáltica, etc.) e investimentos prioritários para o Município, o Chefe do Executivo anunciou que enviará ao Poder Legislativo, decreto fixando em 6% o reajuste dos servidores públicos municipais.

A administração lamenta que, apesar de todos os esforços, não foi possível chegar a uma decisão consensual sobre o reajuste salarial ao funcionalismo público municipal, mas continua acreditando que o diálogo ainda é o instrumento mais adequado e eficaz para o aprimoramento das relações entre a administração e os servidores.

Foto: Fernando Ribeiro