Prefeitura apresenta casa modelo do programa Nosso Sonho

A Prefeitura de Botucatu, em solenidade realizada na manhã desta quinta-feira, 15, apresentou a casa modelo do programa “Minha Casa, Minha Vida”, do Governo Federal, que prevê a construção de um total de 407 moradias no Jardim Santa Mônica, região Sul da Cidade.

O programa, destinado a famílias com renda bruta familiar entre um e três salários mínimos, está dentro do programa municipal “Nosso Sonho”, que compreende outros projetos habitacionais de Botucatu. No evento estiveram presentes, além do prefeito João Cury Neto, o secretário municipal de Habitação, Edson Bertani e outras autoridades.

A residência tem 35 m² divididos em: dois quartos, sala, cozinha e banheiro. Segundo Eduardo Almeida, diretor da Construtura Haus, responsável pela obra, a intenção é instalar aquecimento solar em todas as casas, que também contarão com forro de PVC. “A intenção é que até o final do ano elas estejam todas prontas”, diz.

{n}Recursos da Caixa{/n}

Olair Ribeiro, gerente regional de construção civil da Caixa Econômica Federal, informou que o banco disponibilizou R$ 17 milhões ao projeto. Apesar do custo da construção de cada residência ser de aproximadamente R$ 42 mil, ele ressalta que a população carente, que será agraciada com as moradias, pagará bem menos que este valor.

“A pessoa pode pagar 10% da renda ou , no mínimo, R$ 50 por dez anos, ou seja, a pessoa pode chegar a pagar apenas R$ 6 mil para ter sua casa própria”, destaca.

Michele Marcelina Fregona, de 26 anos, participou da solenidade e deu seu testemunho como futura concorrente a uma das 407 casas. “É duro morar naquilo que não é seu. Essa região era só mato. Hoje, com essas casas, está muito mais bonita. Espero que a Prefeitura escolha as famílias que realmente precisam de uma casa”, comentou.

{n}Critério e escolha das famílias{/n}

O prefeito João Cury Neto informou que o processo de escolha das famílias será feito no segundo semestre, mas já avisa que a Prefeitura estabelecerá critérios rigorosos para poder beneficiar as famílias mais carentes.

“Seremos muito criteriosos no sorteio para dar as casas ? queles que mais precisam, porque o sonho desse povo não é da posse, mas sim, ser dono, ter a escritura em seu nome. Estamos apenas conferindo um dispositivo da Constituição que prevê que todo cidadão tem direito a uma moradia digna”, pronuncia.

De acordo com o Chefe do Executivo, a Secretaria Municipal de Negócios Jurídicos estudará a possibilidade de transferir as escrituras das casas exclusivamente para nomes de mulheres. “São elas que cuidam dos filhos e sabem dar o valor de manter a casa em ordem”, completa.

Fonte:
Assessoria de imprensa