Prefeito dialoga com correios e cobra solução para entrega

O prefeito de Botucatu, João Cury Neto, recebeu em seu gabinete na última sexta-feira (11) representantes dos Correios com objetivo de encontrar solução para a entrega de correspondências que não tem sido realizada em alguns bairros da Cidade, inclusive aqueles que surgiram nos últimos anos como Jardim do Bosque (I e II), Jatobá, Caimã, Nova Esperança, entre outros. Atualmente, os moradores destes bairros têm retirado suas correspondências nas agências ou correspondentes dos Correios mais próximos de casa.

A principal justificativa da empresa é que o atual quadro de funcionários, com 59 carteiros, não tem sido suficiente para acompanhar o crescimento apresentado pela Cidade. De acordo com Maurício Claro, diretor regional dos Correios no interior de São Paulo, seria necessária a contratação de mais 12 novos profissionais para suprir o planejamento de entregas em todo território municipal.

“Faremos gestão em Brasília, junto ao Governo Federal, para que possamos repor nosso quadro de funcionários em Botucatu. Esse é um problema que enfrentamos a nível nacional e que deve ser solucionado com a abertura de um concurso público. Enquanto isso não acontece nos comprometemos em apresentar um plano de ação local, no prazo de 15 dias. Será uma medida paliativa, mas sem que o serviço perca sua qualidade”, afirma.

Uma das soluções aventadas durante a reunião foi a possibilidade da empresa fazer entregas alternadas durante as semanas nos bairros que hoje não são abrangidos pelo serviço. Outra alternativa seria a ampliação de Caixas Postais Comunitárias em parceria com a Prefeitura, como já ocorre no Caimã e Nova Esperança, no Distrito de Rubião Júnior, onde os moradores retiram suas correspondências na creche do Caimã.

“Chamei esta reunião para que os Correios apresentassem suas dificuldades e, juntos, possamos encontrar uma solução viável à população, que também tem nos cobrado muito. Apesar de ser um problema no qual o poder público não consegue resolver de forma independente e direta, o serviço de entrega de correspondências interfere no dia a dia das pessoas e seus compromissos. Por isso temos o dever de ouvir o povo e buscar articular esforços para que estas angustias sejam solucionadas ou minimizadas. E se é um problema do povo, é um problema do prefeito”, argumenta João Cury.

Hoje os Correios mantêm em Botucatu um volume de entregas médio de 31 mil correspondências e mais 2,5 mil objetos qualificados (Sedex) diariamente.

(Ass. de Imprensa da Prefeitura)