Praças da Cidade poderão ser terceirizadas

Fotos: Valéria Cuter

O secretário municipal de Meio Ambiente, Perseu Mariani, está trabalhando em um projeto que visa a terceirização das praças da Cidade. Com isso, os logradouros públicos seriam “adotados” por empresas que ficariam responsáveis pela manutenção e exporiam suas marcas. “Temos cerca de 200 praças na Cidade e seria esta uma maneira do setor privado ser parceiro na revitalização, urbanização e paisagismo nas principais praças públicas da Cidade onde o fluxo de pessoas é acentuado”, disse Mariani.

Paralelo a esse projeto, está em andamento um programa que visa melhorar o visual nas principais praças da Cidade e criar novos espaços para atender solicitações básicas da população. “Primeiro nós temos que revitalizar as praças já existentes, deixá-las bem limpas e em condições para a família botucatuense usufruir, depois executaremos os projetos de construção de novos espaços. Atualmente, estamos fazendo um trabalho de restauração na Praça Isaltino Pereira, no Jardim Paraíso”, observou o secretário.

Entre as praças mais centralizadas que são verdadeiros cartões postais de Botucatu e que necessitam maiores cuidados estão a da igreja Sagrado Coração de Jesus, na Vila dos Lavradores: Isabel Arruda, em frente a Misericórdia Botucatuense; Brasil Japão, na Vila Sônia; Rubião Júnior, no Largo da Catedral; São José, na Avenida Dom Lúcio; Comendador Emílio Peduti – Bosque; Coronel Moura – Paratodos; Rui Barbosa, ao lado do antigo prédio do Fórum, entre outras.

Mariani enfoca que, além de proporcionar lazer e entretenimento ? comunidade sua intenção é, também, valorizar os fatores históricos destes patrimônios públicos. “Nos últimos anos algumas praças passaram por reformas muitas delas, recebendo, inclusive, academias ao ar livre para a terceira idade e playground. A praça do Bosque, por exemplo, que é uma das mais frequentadas de Botucatu teve até sua fonte luminosa restaurada”, coloca Mariani.

Uma das grandes preocupações da secretaria é buscar ações que visem conscientizar os cidadãos a não degradar o ambiente, conservar e preservar os equipamentos que foram instalados e fomentar a mobilização dos agentes comunitários a disciplinar a participação popular nestes espaços.

“O objetivo é garantir o envolvimento da comunidade, das organizações sociais através de seus agentes comunitários a propor ações de conscientização e preservação ambiental fazendo uso da coleta seletiva nestes espaços e promoção das entidades e instituições parceiras, grupos artísticos, culturais, esportivos e comunitários bem como as lideranças para fortalecer o pleno funcionamento das atividades nas praças”, apontou.

Outro ponto destacado por Mariani é com relação a segurança das pessoas que frequentam as praças e um trabalho técnico, juntamente com a Defesa Civil do Município, está sendo desenvolvido para identificar e remover árvores sem vida que possam acarretar riscos de acidente ? s pessoas que freqüentam esses espaços públicos. “Para cada árvore removida, outra será plantada no local”, garante.