Patrimônio da Rede Ferroviária é de Botucatu

O Diário Oficial da União (DOU) publicou nessa sua edição de sexta-feira uma portaria oficializando a cessão de uso do patrimônio da RFF – Rede Ferroviária Federal para a Prefeitura Municipal de Botucatu, por 20 anos. Com isso o Poder Público poderá realizar projetos naquele local, que faz parte do patrimônio histórico da cidade.

Nunca é demais lembrar que Botucatu foi uma das principais cidades da malha ferroviária de São Paulo da antiga EFS – Estrada de Ferro Sorocabana. Com a desativação das linhas, muitos imóveis foram, literalmente, abandonados e se deterioram com o tempo, sendo usado por andarilhos e para pessoas fazerem uso de drogas e prática de sexo. Uma matéria sobre a deteriorização do patrimônio da Rede foi publicada no mês passado (março) pelo Acontece e gerou muita indignação, principalmente nas pessoas que prezam pela história da ferrovia (veja galeria de fotos).

A autorização de uso de todos os imóveis da Rede já havia sido assinada este ano pelo prefeito e superintendente substituto do patrimônio da União do Estado de São Paulo, Raphael Bischof. Essa sessão de uso, também teve apoio do presidente da Câmara dos Deputados, Michel Themer. Porém o objetivo do prefeito era conseguir a cessão de uso de todo patrimônio em Botucatu, por 20 anos e o que antes era uma possibilidade, acabou se transformando em realidade, agora, de forma oficial. Em entrevistas que concedeu sobre o assunto, João Cury, não escondeu sua satisfação em conseguir a cessão de toda aquela área.

“A verdade é que muita gente tentou, mas não conseguiu. Buscamos os caminhos que nos foram abertos e fizemos este pedido de sessão de uso, diretamente, ao ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, que entendeu a importância do patrimônio da Rede passar a ser zelado pelo município. Com isso, poderemos viabilizar naquele amplo espaço projetos que são do interesse da nossa cidade”, comemorou Cury.

Devo dizer que o ministro de Planejamento, continua o prefeito de Botucatu, teve espírito republicano e se sensibilizou com a reivindicação. “Ele nos atendeu muito bem e através de sua atuação e da atuação do Michel Themer e de outras pessoas da cidade como o vereador Bombeiros Tavares (DEM), conseguimos trazer esse benefício para Botucatu”, comentou Cury, revelando que procurou trabalhar em sigilo. “Fizemos um trabalho silencioso para evitar que forças contrárias pudessem dificultar as negociações”, disse, sem citar nomes.

Embora com cautela, João Cury, adianta que faz parte do projeto criar naquele espaço um Centro de Entretenimento para realizações de festas e eventos variados. Como se sabe, Botucatu não possui uma área apropriada e com espaço suficiente para realizar grandes eventos. Paralelo ao Centro, a idéia é criar, por exemplo, o Trem Turístico onde as pessoas poderiam conhecer as belezas naturais da região em um trem.

“Idéias não nos faltam. Agora vamos fazer estudos e planejar o uso daquela área. Acho que a cidade de Botucatu tem mesmo que comemorar essa conquista que não é nossa e sim de toda população”, colocou o prefeito, adiantando que, para evitar qualquer tipo de polêmica e especulação política, as pessoas que moram em casas pertencentes ? Rede não terão qualquer problema.

“Os moradores terão preferência para adquirir os imóveis. Não iremos tirar ninguém de suas casas. Pelo contrário, nosso objetivo é ajudar a todos que zelam por essas casas por muitos anos. São gerações de famílias que cresceram e viveram nessas casas. Vamos trabalhar para que esses moradores consigam as escrituras definitivas dos imóveis”, concluiu o prefeito.

Fotos: Valéria Cuter