Paróquia Santa Terezinha revive tradição de Corpus Christi

A comunidade católica da Paróquia Santa Terezinha, no Bairro do Lavapés, reviveu nesta quinta-feira uma das maiores tradições do Brasil. Foram enfeitados sete quarteirões que circundam a igreja, com temas alusivos ? tradição e a fé.

Para que isso fosse possível, o padre Camilo, responsável pela paróquia, reuniu as 14 pastorais da igreja. As pastorais foram divididas em sete grupos e cada grupo se responsabilizou pelo enfeite de um quarteirão. Com isso, os paroquianos mostraram que um trabalho em grupo pode resultar em um trabalho de rara beleza.

E os produtos usados para enfeitar os sete quarteirões foram os mais diversos: pós de serra tingido em cores variadas, tampas de garrafas, areia, terra, casca de ovo, entre outros. Os desenhos foram criados pelas próprias pastorais da igreja.

{bimg:4660:alt=interna:bimg}

“Este é um trabalho que envolve toda a comunidade da igreja. Existe o envolvimento de toda comunidade, que mostra união, organização, criatividade e, principalmente, fé. Foram as pastorais que decidiram reviver a tradição de enfeitar as ruas para passagem de Cristo. Eu, como o responsável pela igreja, dei todo meu apoio. Já há três anos que fazemos isso aqui na paróquia”, revela o padre Camilo.(foto)

Para Ana Maria Rodrigues Ponce e Silva, da Pastoral Litúrgica, o envolvimento da comunidade é acentuado. “Temos aqui pessoas de diferentes idades, até crianças, e de diferentes profissões dando a colaboração para deixar as ruas bem bonitas para a procissão. É todo mundo trabalhando junto, buscando um bem comum”, pregou Ana Maria.

Integrante da Pastoral Catequética, Elaine Alves Pereira, frisa que não existe uma competição entre uma pastoral e outra. “Tudo que nós estamos fazendo aqui foi resultado de uma reunião com a participação de todas as 14 pastorais da igreja. Por isso não existe competição. Nós todos estamos fazendo isso, com apenas um pensamento: agradar a Jesus”, explicou Elaine.

Mesmo fazendo parte da Pastoral do Dízimo, Antônio Carlos Prando, circulou por todos os quarteirões, onde os enfeites estavam sendo feitos. “É assim mesmo. Um grupo que está mais adiantada, procura ajudar o outro. Isso porque os desenhos são diferentes e um pode ter mais detalhes que o outro”, ressalta Prando. “O importante é o resultado final que é de toda comunidade de Santa Terezinha”, acrescentou.

{n}Significado de Corpus Christi{/n}

Corpus Christi é nome que vem do latim e significa “Corpo de Cristo”. A festa por objetivo celebrar solenemente o mistério da Eucaristia – o Sacramento do Corpo e do Sangue de Jesus Cristo.

Acontece sempre em uma quinta-feira, em alusão ? Quinta-feira Santa, quando se deu a instituição deste sacramento. Durante a última ceia de Jesus com seus apóstolos, Ele mandou que celebrassem Sua lembrança comendo o pão e bebendo o vinho que se transformariam em seu Corpo e Sangue.
“O que come a minha carne e bebe o meu sangue, tem a vida eterna e, eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue é verdadeiramente bebida. O que come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. O que come deste pão viverá eternamente” (Jo 6, 55 – 59).

Através da Eucaristia, Jesus nos mostra que está presente ao nosso lado, e se faz alimento para nos dar força para continuar. Jesus nos comunica seu amor e se entrega por nós.

{n}No Brasil{/n}

No Brasil, a festa passou a integrar o calendário religioso de Brasília, em 1961, quando uma pequena procissão saiu da Igreja de madeira de Santo Antônio e seguiu até a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima. A tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, cidade histórica do interior de Minas Gerais.

A celebração de Corpus Christi consta de uma missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento. A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento esse povo foi alimentado com maná, no deserto. Hoje, ele é alimentado com o próprio Corpo de Cristo.

Durante a Missa o celebrante consagra duas hóstias: uma é consumida e a outra, apresentada aos fiéis para adoração. Essa hóstia permanece no meio da comunidade, como sinal da presença de Cristo vivo no coração de sua Igreja.

Foto: Valéria Cuter