Obras reduzem número de pontes destruídas pelas chuvas

A Secretaria Municipal de Obras finalizou a reconstrução da ponte do Araquá, que serve de ligação a propriedades rurais próximo da região do Jardim Continental, sentido São Manuel. As bases das cabeceiras, antes de madeira, agora são de concreto. A passagem mede 10 metros de extensão por 4 metros de largura, e está a 4 metros acima do leito do rio.

A ponte do Araquá foi a primeira e única até o momento na qual foi necessária intervenção do Poder Público Municipal após as fortes chuvas do início deste ano, cenário bastante diferente do encontrado no Município no início de 2013. Na época, pelo menos 18 pontes ficaram interditadas devido ao volume de água que caiu sobre o Município.

Redução no número de pontes destruídas pelas chuvas, no período de dois anos, está associada às obras de prevenção feitas pela Prefeitura através do programa Botucatu Contra as Enchentes. Além da construção de novas galerias, a Secretaria de Obras intensificou a manutenção de bueiros, limpeza e desassoreamento de rios e córregos que cortam o Município como o Tanquinho, Lavapés e Água Fria.

“Os avanços que tivemos no sistema de macrodrenagem urbana, de 2013 até agora, são notórios. E isso repercute também na economia de gastos realizados para recuperar e reconstruir pontes em períodos de fortes chuvas. Temos monitorado cada uma delas e realizado serviços constantes para prevenir situações de risco. A construção dos cinco ‘piscinões’ previstos pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e que devem começar a sair do papel a partir deste ano, também serão vitais para complementar todo este planejamento”, argumenta o secretário municipal de Obras, André Peres. 

A Secretaria Municipal de Obras finalizou a reconstrução da ponte do Araquá, que serve de ligação a propriedades rurais próximo da região do Jardim Continental, sentido São Manuel. As bases das cabeceiras, antes de madeira, agora são de concreto. A passagem mede 10 metros de extensão por 4 metros de largura, e está a 4 metros acima do leito do rio.

A ponte do Araquá foi a primeira e única até o momento na qual foi necessária intervenção do Poder Público Municipal após as fortes chuvas do início deste ano, cenário bastante diferente do encontrado no Município no início de 2013. Na época, pelo menos 18 pontes ficaram interditadas devido ao volume de água que caiu sobre o Município.

Esta drástica redução no número de pontes destruídas pelas chuvas, no período de dois anos, está associada às obras de prevenção feitas pela Prefeitura através do programa Botucatu Contra as Enchentes. Além da construção de novas galerias, a Secretaria de Obras intensificou a manutenção de bueiros, limpeza e desassoreamento de rios e córregos que cortam o Município como o Tanquinho, Lavapés e Água Fria.

“Os avanços que tivemos no sistema de macrodrenagem urbana, de 2013 até agora, são notórios. E isso repercute também na economia de gastos realizados para recuperar e reconstruir pontes em períodos de fortes chuvas. Temos monitorado cada uma delas e realizado serviços constantes para prevenir situações de risco. A construção dos cinco ‘piscinões’ previstos pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e que devem começar a sair do papel a partir deste ano, também serão vitais para complementar todo este planejamento”, argumenta o secretário municipal de Obras, André Peres.