Novos abrigos de ônibus são instalados na cidade

A Prefeitura de Botucatu, por meio da Secretaria Municipal de Transporte (Semutran), iniciou a instalação de novos abrigos destinados aos usuários do transporte coletivo urbano. Ao todo serão 20 estruturas de concreto cujo investimento foi de R$ 59 mil.

As primeiras coberturas foram instaladas na Rua Pedro Miguel Oyan (próximo ? panificadora Milênio) e Avenida Mario Barberis (próximo ao Tiro de Guerra) na Cohab 1; na Rua Emílio Cani (atrás do Recinto de Exposições JVC), na Cecap ; e Rua João Morato da Conceição (em frente ? Igreja Nossa Senhora Menina) na Vila Maria. Nas próximas semanas, mais abrigos serão instalados em todas as regiões da Cidade, em pontos estratégicos levantados pela Semutran a pedido da própria comunidade.

De acordo com o secretário municipal de Transporte, Vicente Ferraudo, esta é mais uma das ações previstas pelo programa ‘Seguindo em Frente’, lançado no final de maio passado e que prevê outros investimentos para quem utiliza o sistema de transporte local.

“No ano passado já haviam sido instalados, em todo Município, 15 abrigos metálicos e outros 20 de concreto Desta vez optamos apenas pelos abrigos de concreto por serem mais duráveis. Cada estrutura pode receber pelo menos de quatro a cinco pessoas sentadas confortavelmente, que se protegerão da chuva e do sol enquanto aguardam o ônibus no ponto. Sabemos que ainda temos inúmeros pontos descobertos na Cidade, até porque nossas linhas nos últimos anos foram ampliadas. Mas estamos trabalhando para oferecer mais conforto aos nossos usuários”, comenta.

{n}Novos uniformes {/n}

Nesta terça-feira (21), os funcionários da Semutran estrearam seus novos uniformes utilizados durante a execução dos serviços diários de sinalização. Cada um dos oito funcionários recebeu quatro conjuntos de uniformes com faixas refletivas que facilitam a visualização dos motoristas e, consequentemente, oferecem maior segurança aos servidores públicos.

Para escolha da cor e do modelo dos uniformes, a Semutran pediu opinião para todos que iriam utilizá-los. “A ideia é padronizar cada vez mais os métodos e processos de trabalho numa busca contínua de qualidade”, complementa Ferraudo.