Mais 200 pessoas são formadas em geração de renda

Reescrever seu próprio destino era o que sonhava Carol Guimarães. Aos 34 anos, casada e mães de três filhas, não enxergava outros caminhos que a fizessem se sentir mais motivada e valorizada para o mercado de trabalho. Até que ficou sabendo do curso de Manicure e Pedicure, promovido pelo Fundo Social de Solidariedade de Botucatu. 

“Trabalhava como promotora de vendas, sem algo fixo. Daí enxerguei neste curso uma possibilidade de negócio e foi a melhor experiência da minha vida. Me superei e aprendi um ofício que nunca imaginava fazer. Conheci pessoas especiais que me motivaram bastante e hoje já atendo clientes em casa. Quero em breve me aprimorar e buscar fazer outros cursos como de Depilação e Drenagem Linfática”, diz.

Carol é apenas uma das 200 pessoas que irão terminar 2014 mais preparadas para o mercado de trabalho. Na noite desta terça-feira (25), no salão social da Associação Atlética Botucatuense (AAB), foi feita a entrega dos certificados àqueles que concluíram cursos e oficinas de geração e renda promovidos gratuitamente através do Criadores Solidários. 

Pela Cozinha Sabores da Gente foram desenvolvidas aulas de Manipulação de Alimentos, Panificação Artesanal; Ovos de Páscoa; Bala de Coco; Massas e Molhos; Salgados Assados e Fritos; Bolo e Confeitaria; Pão de Mel; Bolachas; Delicias de Natal; Culinária Natural e Integral.

Na Escola da Beleza foram realizados cursos de Assistente de Cabeleireiro, Manicure e Pedicure. No Polo Regional da Construção Civil os cursos foram para Pedreiro, Encanador, e Assentador de Pisos e Azulejos. Já na Oficina de Artesanato em Tecido um grupo formado por dez mulheres tem produzido peças exclusivas comercializadas nas tradicionais Feiras de Páscoa, Feira da Casa e Bazar de Natal.

Quem optou pela Escola da Moda pôde aprender e desenvolver técnicas de Corte e Costura com produção de peças diversas de vestuário, que inclusive foram exibidas ao público presente na formatura em um desfile realizado pelas próprias alunas e estarão disponíveis para vendas na sede do Fundo Social de Solidariedade, nos dias 9 e 10 de dezembro.

 

Sem desanimo 

Apesar de serem maioria, as mulheres não foram as únicas a buscarem cursos do Criadores Solidários. Lourivaldo Bezerra da Silva, de 52 anos, e que está desempregado há quatro meses, fez o curso de Pedreiro. “Se você tem saúde e coragem, por que não buscar algo mais. Não dá pra desanimar”, diz ele, que também tira alguns trocados vendendo salgado e para o próximo ano pretende fazer o curso oferecido pelo Fundo Social neste segmento.

Outro que de tijolo em tijolo está construindo um novo caminho é José Silvestre Padovan. Com 53 anos e já com experiência no setor da construção civil, participou do curso para Pedreiro. O desempenho e dedicação nas aulas fez com que ele fosse indicado a ocupar a vaga de professor da turma. 

“No início foi estranho, mas hoje já me sinto em casa. Mesmo já tendo trabalhado como pedreiro e pintor, o curso trouxe mais conhecimento, como por exemplo calcular melhor a quantidade de materiais e evitar desperdícios. O que me move é a curiosidade”, garante ele, que acabou de se mudar para a casa que mesmo construiu.

 

Zona de conforto

Emocionada, a presidente do Fundo Social de Solidariedade, Rachel Ferronato Cury, lembrou de todo o esforço do Poder Público em viabilizar os cursos e oficinas de geração de renda e agradeceu o apoio de sua equipe, voluntários, professores e principalmente dos alunos. “Nada faria sentido se essas pessoas não saíssem da zona de conforto e dessem um voto de confiança ao projeto, que é um sucesso. Para o próximo ano não vamos parar de trabalhar”, afirma.

Também presente na formatura, o prefeito João Cury Neto valorizou o esforço das pessoas que buscaram qualificação através do Fundo Social, órgão do Poder Público no qual ele enaltece por ter avançado com novas ações junto à população nos últimos anos. 

“O Fundo Social saiu do assistencialismo e começou um novo conceito: o de gerar oportunidades com um olhar mais humano às pessoas mais carentes. Que por sua vez também buscam algo mais do que apenas a cesta básica ou o dinheiro dos programas de transferência de renda. Neste contexto, a qualificação profissional pelo Criadores Solidários oferece uma oportunidade para que essas pessoas se emancipem de verdade e ao fazerem estes cursos elas estão dando o primeiro passo”, frisa.