Licitação define empresa para reforma do Mercadão

A Copel (Comissão Permanente de Licitações) da Prefeitura de Botucatu divulgou a ata de julgamento das propostas da concorrência pública 008/2015 aberta para contratação da empresa que terá a responsabilidade de executar a reforma do Mercado Municipal “Progresso Garcia”. A vencedora do certame é a Construtora Reobote e Projetos Ltda. EPP que apresentou o valor total de R$ 1.962.501,65 para realização das obras. O projeto estava orçado em R$ 2,2 milhões.

Outras quatro empresas participaram da concorrência mas apresentaram valores superiores. A 2N Engenharia Ltda. foi desclassificada por apresentar valor acima da média orçada pela administração. A previsão é que no início da próxima semana, o processo seja adjudicado pelo prefeito João Cury e a empresa chamada para assinatura do contrato, que seguirá para análise da Caixa Econômica Federal e da Desenvolve SP, agência de fomento do Estado de São Paulo que financiará a obra. Só mediante autorização dessas duas instituições a Prefeitura estará liberada para assinar a ordem de serviço que permitirá o início das obras.

Por contrato, o prazo para conclusão da reforma é de um ano. O Mercado Municipal “Progresso Garcia” nunca passou por uma grande reforma desde a sua inauguração em julho de 1962. O projeto prevê otimização dos espaços, criação de boxes maiores, praça central de alimentação, ampliação dos banheiros, instalação de elevador para garantir acessibilidade, melhoria no acesso e estacionamento, criação de um novo mezanino com salão aberto que permitirá ao espaço receber eventos artístico-culturais. As características originais do prédio serão preservadas, mas a ideia é promover uma profunda modernização no “Mercadão”.

Todos os projetos foram elaborados pela Secretaria de Planejamento e envolvem a modernização dos sistemas de hidráulica, elétrica, esgoto, telefonia, informática, revestimento e piso. O piso inferior abrigará todo o setor de hortifruti, enquanto o piso superior será reformulado para receber uma ampla praça de alimentação. A reforma também prevê espaço para implantação de uma agroindústria no local com recepção, vestiário, sala de recepção de matéria prima, sala de processamento e expedição.

Não haverá a necessidade de transferir os concessionários para outro prédio durante a reforma. Eles serão remanejados para um espaço administrativo que encontra-se desativado onde terão a oportunidade de continuar comercializando seus produtos até que a reforma seja concluída.

“O prazo para execução da obra foi esticado justamente por conta da necessidade de realizar a reforma com os comerciantes dentro do Mercado. Vamos transferi-los provisoriamente para a área que era ocupada pelo IBGE e outras instituições”, informa o secretário municipal de Planejamento, Nelson Lara.