Lageado recebe amantes de carros antigos

A Fazenda Lageado vive um momento diferente neste final de semana, com o 5º Encontro de Carros Antigos, com realização da Associação de Veículos Antigos de Botucatu (AVAB), Federação Brasileira de Veículos Antigos e Federation Internationale Vehicules Anciens, tendo parceria da Faculdade de Ciências Agronômicas – Unesp – Campus Botucatu / Fazenda Lageado e Museu do Café. Os interessados em expor seus veículos pagaram uma taxa de inscrição no valor de R$10,00 por automóvel e os 150 primeiros inscritos ganharam um brinde.

O evento acontece nesses dois dias, com entrada franca para o público. O encontro conta com veículos com mais de 30 anos de fabricação em bom estado de conservação de antigomobilistas previamente convidados. Quem prestigiou o evento pode ver de perto carros como Fusca, Opala, Brasília, Mercedes, Ford, Chevrolet, entre muitos outros carros expostos, em excelentes estado de conservação e peças originais.

Presidente da AVAB, Marcelo Paganini,

{bimg:4419:alt=a16:bimg}

que tem um carro Modelo Brasilia, ano 77, salientou que o evento tem sua beleza e mostra as modificações que os automóveis sofreram ao longo dos anos. “São carros que sobreviveram ao tempo e seus proprietários os mantiveram em perfeito estado de conservação. O valor desses automóveis é sentimental”, observou Paganini.

“Temos aqui carros desde o início do século até os anos 70. Ninguém vem expor os veículos para vender e sim para trocar experiências. São raros os carros vendidos ou permutados durante o Encontro”, acrescentou o presidente da AVAB que deu uma resposta taxativa quando questionado sobre o valor de sua Brasilia. “Ela não tem preço!”.

Prestigiando o evento esteve o

{bimg:4420:alt=a17:bimg}

presidente do Clube Botucatuense de Carros Antigos, Osmar Delmanto Júnior, que se orgulha da relíquia que trouxe para exposição: um Chevrolet 1950, impecável. “Embora meu veículo tenha 60 anos, é difícil que o proprietário de um carro moderno tenha o mesmo zelo que eu. Eu procurei deixar o carro exatamente como era nos anos 50. Só quem aprecia carros antigos pode saber o valor que a gente dá para relíquias como esta”, disse Delmanto Júnior.

Também amante de carros antigos, o advogado José Luiz Coelho Delmanto, tem orgulho de ser proprietário de um genuíno Ford 1929, que só sai de sua garagem em ocasiões especiais. “Esse é um tipo de patrimônio que não pode ficar exposto todo momento. Não o conservo pra isso. Ele é para meu prazer”, comentou o advogado que tem outro carros antigos e se irritou com um pássaro que fez suas necessidades fisiológicas em cima de sua raridade. Imediatamente, apanhou um lenço e providenciou a limpeza.

Um dos colecionadores de carros

{bimg:4422:alt=a19:bimg}

mais antigos e conhecidos que sempre é visto nesse tipo evento no estado de São Paulo, Sérgio Meira Coelho. Sua paixão é um Karmann Guia, um dos carros esportivos mais cobiçados nos anos 60. Exageros ? parte, dificilmente alguém naquele época tinha um carro tão conservado e limpo como o de Coelho. “Na verdade pra gente que gosta, manter o carro sempre limpo e brilhando é uma satisfação. Tem quem goste de armas, outros de cavalos, mas nós gostamos de carros antigos”, comparou.

O empresário Celso Guimarães,

{bimg:4423:alt=a20:bimg}

também amante de carros antigos, não deixou de comparecer para conhecer as “novidades” do mercado. “Eu acho os carros antigos muito mais bonitos do que os de hoje. Por isso não podia deixar de prestigiar esse evento”, disse o empresário que montou uma barraca para servir o Café Tesouro que fabrica desde 1926.

Outro empresário que marcou

{bimg:4421:alt=a18:bimg}

presença no evento foi Bruno de Lucca. “Acho que acertaram o local, pois trouxeram os carros antigos ao Lageado que preserva intactas as edificações construídas no início do século passado. Os organizadores acertaram em cheio e uniram o útil ao agradável”, frisou.

Fotos: Valéria Cuter