Funcionários da Sabesp permanecem em greve

“Somente os serviços essenciais de abastecimento e emergências estão em operacionalidade para que o abastecimento de água não seja comprometido, assim como os serviços de manutenção na rede”, foi o comentário do diretor da Sabesp, Arthur Bronzatto sobre a greve deflagrada na manhã da última sexta-feira em todo Estado de São Paulo.

Na manhã desta segunda-feira, os trabalhadores de Botucatu fizeram uma assembléia, em frente estatal, discutiram o movimento e foram embora paras suas respectivas casas. Nessa terça-feira uma nova assembléia deverá ser realizada para discutir os rumos dessa greve.

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema), Paulo Henrique Cassiano, o Paulinho adianta que a greve foi deflagrada em razão da Sabesp não cumprir o acordo feito com os funcionários no que diz respeito ? Participação de Lucros e Resultados (PLR) de 2009.

A empresa, segundo ele, teve um lucro líquido de R$ 1,4 bilhão e os trabalhadores têm direito ? PLR na totalidade, já que ela não alcançaria esse montante sem o empenho e dedicação de seu quadro funcional.

“A Sabesp distribuiu os holerites dos funcionários, com 47% a menos do que eles teriam que receber e não cumpriu o que foi acordado no ano passado”, conta assegurando que e a supressão dos adicionais resulta na redução de pelo menos R$ 6,5 milhões do montante que a Sabesp deveria repassar aos funcionários.

Foto: Fernando Ribeiro