Funcionários da Sabesp estão em greve

Na manhã desta sexta-feira os funcionários da Sabesp de todo Estado de São Paulo, aderiram ao movimento de greve deflagrado pelo sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema). Os trabalhadores de Botucatu (que tem mais de 200 trabalhadores) aderiram ao movimento e cruzaram os braços.

O diretor do Sintaema, Paulo Henrique Cassiano, o Paulinho (foto), revela que a adesão ao movimento foi de mais de 90% em todo Estado de São Paulo e a greve foi deflagrada em razão da Sabesp não cumprir o acordo feito com os funcionários no que diz respeito ? Participação de Lucros e Resultados (PLR) de 2009. A empresa, segundo ele, teve um lucro líquido de R$ 1,4 bilhão e os trabalhadores têm direito ? PLR na totalidade, já que ela não alcançaria esse montante sem o empenho e dedicação de seu quadro funcional.

“Quando nós fechamos o acordo coletivo com a empresa, um ano atrás, assinado por ambas as partes, a Sabesp se comprometeu a repassar uma porcentagem dos lucros aos trabalhadores até o dia 30 de abril, que é hoje (sexta-feira) já que a partir desse sábado começa um novo processo de acordo, um novo dissídio”, observa o sindicalista.

Ele revela que o sindicato encaminhou vários documentos para a empresa dizendo que ela não estava cumprindo o acordo, mas não obtivemos retorno. “Tivemos uma assembléia no dia 22 para alertar os trabalhadores o que seria feito se o acordo não fosse cumprido. O resultado dessa reunião foi comunicado ? empresa e os meios de comunicações. Por isso a greve é, absolutamente, legal”, adianta.

Nesta quinta-feira, continua Paulinho, a Sabesp distribuiu os holerites dos funcionários, com 47% a menos do que eles teriam que receber. “Ou seja, a empresa não cumpriu o que foi acordado no ano passado. Por isso estamos paralisando os trabalhos até que (a empresa) cumpra o acordo assinado”, coloca o sindicalista, entendendo que faltou transparência ? empresa na fórmula usada para determinar a PLR e a supressão dos adicionais resulta na redução de pelo menos R$ 6,5 milhões do montante que a Sabesp deveria repassar aos funcionários.

Lembra, ainda, o sindicalista que em 2008 a Sabesp havia tomado as mesmas decisões quanto ao repasse do PLR. Os sindicatos entraram com uma ação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) que deu ganho de causa aos trabalhadores por dez votos a zero. A empresa recorreu e a petição tramita até hoje no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília.

Embora a greve esteja decretada, os serviços essenciais da Sabesp irão funcionar, normalmente, ou seja, não haverá falta no abastecimento de água, assim como os serviços de manutenção continuarão trabalhando. “A população de Botucatu e de todo Estado pode ficar tranqüila, pois os serviços essenciais permanecerão em atividade. Pedimos que os trabalhadores retornassem ? s suas casas, mas as negociações continuam neste final de semana. Qualquer novidade os trabalhadores serão informados”, concluiu Paulinho.

Fotos: Fernando Ribeiro