Fórum de Botucatu recebe agência Bancária e lanchonete

Dois dispositivos eram aguardados pela população e comunidade judiciária há 3 anos.

Apesar de ser um dos mais modernos equipamentos do judiciário paulista, o Fórum de Botucatu, inaugurado em dezembro de 2012, ainda não estava completo. Havia carência de um local adequado para alimentação, que contemplasse tanto os servidores do judiciário e advogados, quanto a população que é atendida. Neste mesmo sentido, quem precisava recolher taxas de processos e outros valores judiciais, tinha que se dirigir até a cidade para fazê-lo.

Nesta semana o Acontece Botucatu recebeu o convite do Juiz diretor da unidade judiciária, Dr. Josias Martins de Almeida, para conhecer os novos dispositivos que supriram essa demanda. “Nós conseguimos a instalação desses dois novos equipamentos para o fórum de Botucatu só no ano passado por causa da burocracia. Para a instalação da lanchonete houve a necessidade de um longo processo, já que envolve a abertura de licitação. Já para a agência bancária, o processo é ainda mais rigoroso e burocrático”, explicou Dr. Josias.

Em contrapartida à demora na instalação, é o modelo de agência instalada no fórum, que é o mais moderno existente dentro do Banco do Brasil. “Essa agência possui um novo modelo de gestão, que é conectado diretamente com a agência 001, que fica em Brasília. Quando os caixas eletrônicos são fechados lá, automaticamente os daqui também fecham, evitando riscos de assaltos ou outros incidentes”, disse Dr. José Antônio Tedeschi, outro juiz que atua na área cível.

 

 

Ar condicionado

Outra cobrança desde a inauguração do prédio era a falta de um ar condicionado para as salas. Nos dias mais quentes, os ventiladores que “quebravam o galho”, não davam conta de refrescar os servidores, juízes, promotores e população que frequentava o local. “Nossa dificuldade foi a estrutura de ar condicionado que foi projetado para este prédio. O imóvel já foi elaborado com a tubulação para um equipamento central, impossibilitando a instalação de aparelhos individuais em cada sala. Por esse motivo, encontramos dificuldades em encontrar uma empresa para fazer a instalação, com essas caraterísticas peculiares. Gastamos R$ 1 milhão para viabilizar esse projeto, dinheiro que veio do Tribunal de Justiça, e agora o aparelho está em pleno funcionamento, dando mais conforto aos frequentadores do fórum”, detalhou Josias Martins.

Fechando o ciclo estrutural

Indo para o quarto mandato à frente do fórum local, completando 6 anos no cargo, o juiz Josias Martins declarou que essas conquistas fecham o ciclo estrutural e agora o prédio está completo. Algumas outras benfeitorias menores também foram feitas, como uma sala de audiência compartilhada, onde é possível julgar processos com mais agilidade, de maneira digital.

“Os juízes sentam aqui com seus notebooks, conectam-se simultaneamente a rede do judiciário e podem fazer o julgamento de várias ações em algumas horas, que no modelo antigo, poderia levar dias”, comemorou Dr. Tedeschi.

Novos desafios

Com o prédio completo, o desafio da direção é buscar novos serviços que ainda tem espaço dentro da estrutura conseguida. É o caso da defensoria pública, que é um serviço gratuito oferecido pelo Estado para o cidadão que não tem condições para contratar um advogado.

“Os locais da Defensoria mais próximos são Bauru, Jaú e Avaré. Aqui em Botucatu quem presta esta assistência são os advogados, pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). A vinda da Defensoria Pública para Botucatu será um instrumento importante de acesso à justiça para o cidadão. Esse é o nosso próximo desafio. Já temos um mapeamento disso, mas ainda não há um prazo para a chegada do serviço”, adiantou o diretor do fórum.