Festa do Milho será encerrada no próximo final de semana

Fotos: Valéria Cuter

“Quem não comeu só tem mais este final de semana para aproveitar. Depois, só na “Safrinha de São João” no meio do ano”. Foi o comentário do Padre Orestes Gomes, responsável pela 11º edição da Festa do Milho que está sendo realizada no pátio coberto da Igreja Nossa Senhora Menina, na Vila Maria e já aconteceu nos dois últimos finais de semana (02 e 03 e 09 e 10). A festa se encerra no próximo final de semana (16 e 17).

Segundo dados do sacerdote, já foram consumidos 30 toneladas de milho e a previsão é atingir 45 toneladas, ou seja, 15 toneladas por final de semana. “A festa está atendendo, perfeitamente, nossas expectativas. Isso em razão das pessoas que estão nos ajudando no patrocínio e divulgação e, principalmente, da comunidade de Vila Maria que se envolve e não mede esforços na preparação dos produtos que são comercializados e no atendimento a quem nos visita”, ressaltou.

Orestes faz questão de enfatizar que tudo que é comercializado na festa é de primeira qualidade e o milho usado na festa é plantado em uma área arrendada em Pardinho, especialmente para atender as necessidades da festa. A plantação é feita no final do ano, para ser colhida depois de 100 dias.

“Fabricamos os produtos aqui mesmo no pátio da igreja e todos os visitantes podem acompanhar de perto como (os produtos) são feitos e embalados. Temos aqui produtos como curau, pamonha, bolo, sorvete, suco, pão, pastel, pizza, milho assado, milho cozido, sopa, entre outros”, disse o padre. “Os visitantes têm um espaço de mais de 1.800 metros de área coberta para confraternizar com a família”, completa.

{n}Fábrica{/n}

Para realizar a festa em três finais de semana consecutivos, padre Orestes conta com a colaboração de 200 pessoas voluntárias, que trabalham nas barracas e na confecção dos produtos para a venda, como uma verdadeira linha de produção, onde cada pessoa tem a sua participação desde quando o milho chega da roça para ser descascado até a venda direta ao consumidor.

“São pessoas abnegadas que nos ajudam todos os anos e sem elas nossa festa inexistiria. Por causa dessa colaboração é que conseguimos fazer um evento como este”, elogiou o sacerdote, lembrando que no próximo final de semana a festa mantém os mesmos horários para recepcionar o público: sábado a partir das 16 horas e domingo a partir das 10 horas.